Arquitetura na Rioja

Em 2006, a Rioja – região espanhola produtora de vinho – foi escolhida como parte de um roteiro por terras europeias em função de um amigo apreciador dessa bebida. Os nordestinos ainda estavam em processo de adaptação ao vinho tinto, engatinhando na enologia, despedindo-se em definitivo dos vinhos capelinha e sangue de boi, numa rápida passagem pelos brancos alemães. O consumo do vinho tinto virava negócio propício, para os vendedores e, melhor ainda, para os consumidores.

Quatro casais passaram a percorrer as vinícolas, vilas e cidadelas da Rioja. Explanações e provas de vinhos, Museo Vivanco de la Cultura del Vino em Briones – uma verdadeira aula sobre enologia –, culminando com um jantar no restaurante do Hotel Marques de Riscal, ainda em regime de soft open.

Fomos recebidos pela gerência por algum engano. Imagino que nos tomaram por repórteres ou agentes especializados em turismo. A noite não permitiu que percebêssemos a grandiosidade e originalidade do projeto. Foi somente no dia seguinte, ao retornamos para pegar uns óculos esquecidos, que conhecemos o projeto do arquiteto canadense-americano Frank Gehry.

Fruto de uma saudável disputa entre as vinícolas da região, no que diz respeito à utilização da arquitetura contemporânea, o hotel contrasta com o pequeno vilarejo de Elciego, com uma população de apenas 1.000 habitantes. Suas cores e formas surpreendem pela inovação, por seu pós-modernismo. Frank Gehry explorou todo seu talento, seguindo a proposta do Museu Guggenheim de Bilbao, aperfeiçoando as curvas, explorando os materiais como o titânio colorido e o aço inoxidável espelhado.

Museu Guggenheim Bilbao – projeto de Frank Gehry

A cobertura do hotel absorve e reflete a luz do sol, realçando as cores dourado, púrpura e prateado, variando ao longo do dia, sem nunca deixar de impressionar. Frank Gehry confessou que “quis desenhar algo excitante, festivo, pois o vinho é prazer”. Conseguiu bem mais do que isso.

O crescimento mundial do mercado do vinho impulsionou a contratação de renomados arquitetos para construção de adegas, hotéis e lojas na Rioja. A Bodega Ysios optou por Santiago Calatrava. Em 2001, o arquiteto espanhol projetou um edifício em que o telhado acompanha a sinuosidade das montanhas da Rioja Alavesa, no País Basco.

Bodegas Ysios – projeto de Santiago Calatrava

Em 2002, na comemoração dos 125 anos das Bodegas Lópes de Heredia, a arquiteta iraquiana-britânica Zaha Hadid foi escolhida para projetar uma boutique e ainda restaurar o antigo stand da vinícola por ocasião da Exposição Universal e Internacional de Bruxelas de 1910. O carisma, inovação, plasticidade, ousadia e sutileza da arquiteta foram os motivos para sua contratação, que resultou numa obra surpreendente em forma de decanter.

Boutique das Bodegas López de Heredia – projeto de Zaha Hadid – foto capturada no site da Bodega

Essa disputa arquitetônica, aliada aos maravilhosos vinhos que lá são produzidos, fazem da região um roteiro a ser visto e degustado. Se é arquiteto, tem interesse por arquitetura ou apenas em saborear um bom vinho, visite cada pedacinho da Rioja, explorando seus povoados, vilas, vinícolas e lugarejos, com destaque para cidade medieval de La Guardia.

Vídeo promocional da Rioja Alavesa

Leia também

2 Comentários

  1. Viagem memorável à visão a ao paladar. Tudo maravilhoso e tão bem retratado na sua bela crônica! Parabéns, Elzinha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *