Tarsila Popular

O Touro - Tarsila do Amaral

Tarsila do Amaral “Encontrei em Minas as cores que adorava em criança. Ensinaram-me depois que eram feias e caipiras. Segui o ramerrão do gosto apurado… Mas depois vinguei-me da opressão passando-as para minhas telas: azul puríssimo, rosa violáceo, amarelo vivo, verde cantante, tudo em gradações mais ou menos fortes conforme a mistura de branco. Pintura limpa, sobretudo, sem medo de cânones convencionais. Liberdade e sinceridade, uma certa estilização que adatava a época moderna. Contornos nítidos, dando a impressão perfeita da distância que separa um objeto de outro“. Ainda adolescente, tive um caderno com a capa do “Abaporu”. Não tinha qualquer […]

Continue Reading

O Ateliê de Aécio

Quadro de Aécio Emerenciano

Quem passa ao largo, ignora. Também, com o mar à frente descortinando o verde que varia do mais escuro na linha do horizonte, passando pelo esmeralda dos canais mais profundos e chegando ao “baldeado” pelo movimento das águas rasas, não podia ser diferente. A primeira providência desse alguém é deleitar-se com o quebra-mar, um pouco mais lá dentro, acusando a presença dos arrecifes submersos que, aqui e acolá, escurecem o verde marinho, vindo dar quase na praia, junto aos botes que descansam seus motores, enquanto seus pescadores repousam nos leitos de suas Marias. As jangadas, escassas, mas ainda presentes, por […]

Continue Reading

Motorista de ciclista

Castelo de pedra em Sítio Novo/RN

As palavras “paitorista”, “maetorista”, “votorista” foram introduzidas ao dicionário informal, mas será que inventaram alguma denominação para motorista de ciclista? Não que eu saiba, mas esta função está cada vez mais presente. Trata-se da pessoa que vai buscar o ciclista no final de trilhas ou passeios distantes, quando o percurso não permite o retorno pedalando, por causa da exaustão. Aí então a cronista resolve ir buscar o maridão no final da pedalada. Não que seja uma imposição, mas uma opção, porque no caminho o olho de fotógrafa pode registrar cliques interessantes. A nova função termina sendo uma diversão para a […]

Continue Reading

Descoberta musical

LP Cazuza e Barão Vermelho

Quando meu filho ainda era criança, pediu-me para comprar o CD do Pato Fu. Eu tomei um choque. Pato o quê…? De repente senti um alerta no chip regulador da idade. Como é que eu, que sempre gostei de música, não conhecia a banda mineira?! Corri para loja e comprei o CD. Deparei-me com a voz suave de Fernanda Takai – lembrando Nara Leão – e tomei uma resolução definitiva. Daquele dia em diante, iria me esforçar bastante para estar atualizada nas novidades musicais, uma receita infalível para manter a mente jovem. É claro que essa resolução passaria por um […]

Continue Reading

Frida Kahlo

Cartaz da exposição Frida Kahlo

“Me pinto a mí misma, porque soy a quien mejor conozco”. Com a frase na cabeça, aguardava paciente na fila do Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, final de outubro de 2015, para ver a exposição Frida Kahlo: conexões entre mulheres surrealistas no México. Tinha acabado de ler sua biografia e aproveitei a oportunidade para apreciar a sua arte. Tenho especial admiração por mulheres fortes e Magdalena Carmen Frieda Kahlo Calderón insere-se nessa classificação. Nascida em 1907, em Coyoacán, antigo distrito residencial na periferia sudoeste da Cidade do México, a pintora faleceu jovem, aos 47 anos de idade, mas deixou […]

Continue Reading

Não nasci passarinho

Foto do pôr-do-sol

Não nasci passarinho, mas muito cedo aprendi a voar. Primeiro nos livros, onde a imaginação pode levar o leitor mundo afora. Depois na música, a depender do estado de espírito, voa-se alto no imaginário. Em seguida, ainda criança, descobri o encanto de estar acima das nuvens para chegar a lugares distantes. Escutar aquele coraçãozinho batendo apressado no ultrassom, o choro estridente do nascimento e o balbuciar das primeiras sílabas são emoções gravadas para sempre na memória dos pais. A junção das sílabas e a leitura das primeiras palavras também provocam fortes sensações. Daí em diante, com o estímulo adequado, a […]

Continue Reading

Lusco-fusco relaxante

Quem é dona(o) de casa de praia no Nordeste, em época de veraneio, sabe o stress de abastecer a despensa com todos os mantimentos, variadas opções de tira-gosto, bebidas e tudo o mais para visitas previstas e imprevistas e farras improvisadas. É um tal de comprar, beber, comer e reabastecer sem fim. Pois bem, depois de um dia estafante para elaborar cardápio, checar o que tem e o que não tem disponível e comprar o necessário, a pessoa está esgotada. Resultado do movimento de tirar produto de prateleira de supermercado, colocar no carrinho, tirar do carrinho e colocar na esteira […]

Continue Reading