Dê um spoiler em sua vida

A partir de hoje, o blog recebe a colaboração de Andrea Ebert, ilustradora brasileira, residente em Portugal, que assina a imagem em destaque. Com vasta experiência, Andrea acredita que imagens lúdicas podem transformar gestos e sentimentos. Visite seu site: www.andreaebert.com. Spoiler! Ficou curioso? Essa nova palavra incorporada ao cotidiano gera logo uma expectativa. E ela vem sendo utilizada com bastante frequência. Novos tempos, novos termos, nova linguagem. O termo, originário do inglês, é utilizado quando alguém revela informações sobre parte de uma obra, como um livro ou filme, ou apresenta ambiente de evento sem estar completamente finalizado. É o antigo […]

Continue Reading

102 anos de vontade própria

Aurélia Bezerra de Medeiros nasceu na segunda década do século XX, em 1917. Recebeu a rígida educação sertaneja, sob as rédeas de seus pais, José Bezerra de Araújo e Maria Dina Bezerra. Aprendeu muito cedo as tarefas da fazenda e adquiriu gosto pela máquina de costura, numa época em que quase tudo era fabricado em casa. Aquela menina de pernas torneadas aprendeu a dançar com a vitrola a corda de seu pai, que fez as vezes de professor. Virou exímia dançarina e caiu na graça do médico recém-formado. Casaram-se em 16 de janeiro de 1937, Aurélia e Dr. Abílio Medeiros. […]

Continue Reading

Soltador de pipa

Jogávamos conversa fora na barraca da praia, quando um elemento estranho sobrevoa nosso habitat de verão. Um zunindo característico – nem de abelha, nem de aeromodelo – mais parecido com um disco voador em miniatura, que já chegou a assustar a população de interior. Em algum lugar próximo, alguém manuseia remotamente o controle e o objeto de tecnologia moderna capta visuais sob perspectivas até então nunca vistas, olhando o mundo de cima. Como a imaginação anda fértil, logo me transporto para o tempo em que o objeto a alçar voos era a pipa ou coruja, como a chamávamos na época […]

Continue Reading

Ano começando

Fim de tarde do início de uma nova década. Tarde com cara de ressaca de Revéillon. Dos festejos da noite anterior, restam as boas energias espalhadas no ar. Um desejo mútuo de um novo ano repleto de alegria, realizações e paz, muita paz. As nuvens encobrindo o abraçar do sol poente. Vento invertido traz cheiro de chuva no sertão. Mesmo em tempo de notícia imediata, ela demora a chegar, mas os sinais da natureza são irrefutáveis.  No Oeste, as chuvas chegaram encharcando o chão. Sinal de inverno que se achega. Começar o ano assim é sinal de bom presságio; para […]

Continue Reading

Natal, 420 anos

A cidade de Rouen, na França, implementou um projeto bem original no seu centro histórico: o controle de velocidade para pedestre. A velocidade máxima permitida é de 3km/h; se ultrapassá-la, um flash de advertência é acionado. Objetivo do alerta: diminuir a velocidade do passante e conceder-lhe tempo para observar as construções que compõem o seu patrimônio. Tomar um tempo para observar a vida diferentemente. Hoje a minha cidade completa 420 anos. Nascida pelas mãos de Jerônimo de Albuquerque Maranhão em 25 de dezembro de 1599, às margens do Potengi, Natal vê seus prédios históricos abandonados na Ribeira do nosso rio. […]

Continue Reading

Verão em terras potiguares

Praia de Porto Mirim Chegamos, de novo, ao fim do ano. Corrida para compras, sacolas, pacotes, presentes. Confraternizações, família, amigos, trabalho. Natal, amor ao próximo, solidariedade, paz. Necessidade de pôr em prática todo esse espírito de luz. Um brinde ao novo ano que começa! Verão em terras tropicais, casas de veraneio renovadas. Estradas congestionadas, todos seguindo o rastro dos antepassados, que trocavam o sertão — na sua época mais quente — pelo litoral. Tradição preservada, costume sedimentado. Caminho para as praias na busca dos alpendres redários, prontos ao acolhimento. Cheiro de maresia impregnado no ar, brisa embalando suavemente as varandas […]

Continue Reading

Surf nos anos 70

Quem tem o mar a lhe banhar, sempre encontra uma maneira de aproveitar os seus benefícios. Ainda bebê, começa com o pezinho nas cacimbas cavadas pelos pais na areia, vai aos poucos se familiarizando com as marolinhas, vira criança pegando cavalete (jacaré), depois quer, inevitavelmente, uma prancha. Na minha infância, começávamos com aquelas de isopor, que deixavam a barriga toda assada. Aí descobrimos que podíamos usar uma camiseta ou vestir a prancha para evitar os arranhões, que ardiam bastante no contato com a água salgada. Final dos anos 70, início dos 80, os meninos evoluíram para a prancha de fibra, […]

Continue Reading

Celebrando a vida

No início, a adaptação ao animal. A gente senta na sela e segura as rédeas com firmeza, para que o cavalo saiba quem está no domínio. Foi assim que me ensinaram. Depois vai soltando devagarzinho, um trote ligeiro até chegar ao galope baixeiro. Cavalgava com as rédeas mais ou menos soltas, o vento no rosto, inebriada pelo cheiro do verde esparramado no ar, olhar solto até onde a vista alcançava, quando ouvi um grito ao longe. Estanquei o cavalo repentinamente e olhei em direção à casa grande da fazenda Bonança. Papai estava em pé no alpendre, gesticulando muito para eu […]

Continue Reading

Officina della Bistecca

Foto capturada no site da Officina della Bistecca Seguíamos ondulando pelas colinas da Toscana, em pleno mês de outubro, quando o outono esparrama suas cores terrosas pelo ar. Saímos cedo do hotel em Radda in Chianti para percorrer os arredores, dirigindo sem pressa até a hora do encontro em Panzano in Chianti. No carro estávamos eu, meu irmão, minha concunhada e sua cunhada. Todos acompanhantes dos ciclistas que escolheram essa região da Itália para pedalar. O friozinho gostoso da estação abrindo o apetite para a culinária italiana e a degustação de bons vinhos. Os ciclistas acordaram cedo e partiram pelos […]

Continue Reading

Desabrochar da primavera

Os sanhaçus, que andavam meio sumidos, amanheceram cantando em meu jasmim. Ontem, numa caminhada matinal, ao procurar a visão do infinito, meu olhar pousou no chão, naquele imenso monólito. Sem qualquer vestígio de terra, numa fresta da pedra, uns galhos ressequidos, porém bem vivos, esparramavam floradas de amarelo pelo chão. A primavera desabrochou! Bem-vindos à estação das flores! A primavera inicia quando o Sol corta o equador celeste, fazendo com que o dia e a noite tenham igual duração. É o chamado equinócio. Em terras tropicais, não temos aquele choque entre o inverno e a primavera, porque a transição das […]

Continue Reading

Ser criativa

Ingá – obra de Selma Bezerra O Uber parou em frente ao prédio, eu desci do carro e me deparei com um monte de adolescentes, ou recém-saídos da adolescência. Tive vontade de dar uma gargalhada gostosa, mas seria ainda pior, pagaria um grande mico. Deixei pensarem que se tratava de mais uma professora, quando, na verdade, a aluna cinquentinha chegava para uma Oficina de Escrita Criativa, promovida por Belas Artes de São Paulo. Com essa minha curiosidade e constante vontade de aprender, parece que de tempo em tempo, tenho que dar uma guinada na vida profissional. Entrei na faculdade de […]

Continue Reading

Cultura da criança

O olhar do fotógrafo pensa diferente, encontra ângulos onde menos se espera, mas dessa vez foi ele quem me mostrou a imagem. Estávamos em Utrecht, passeando pela cidade, quando meu marido apontou duas meninas sentadas no chão. O celular captou a cena e fiquei aguardando o momento apropriado para escrever. As fotos são minha constante fonte de inspiração, mas nem sempre esta chega fácil, muitas vezes tenho que esperar por um insight. Visitando a exposição de Lydia Hortélio, na 45ª Ocupação Itaú Cultural, a história fluiu, começando por era uma vez duas meninas… sentadas no chão de uma das várias […]

Continue Reading

Brincadeiras de rua

Painel da Ocupação Lydia Hortélio – Itaú Cultural/SP Entre três irmãos, sou a única mulher e a filha do meio. Tinha um quarto só para mim, apesar de conter duas camas. A janela era alta e tinha grades de proteção (coisa de pouca utilidade à época). Então, como a violência não cerceava nossa liberdade, ao invés de olhar pela janela, saia pela porta da frente para vivenciar minha infância. Os muros das casas ainda eram baixos, serviam apenas para delimitar a propriedade, sem qualquer função de proteção. Cercas elétricas nem existiam. Morávamos numa rua tranquila de paralelepípedo, o terror para […]

Continue Reading

Casa no campo

Tenho uma casa no campo, roça, zona rural, interior ou qualquer outra palavra que queira denominar uma morada junto à natureza, tocando a terra, sentindo o cheiro do mato, dormindo, acordando e trilhando paisagens que variam com as estações do ano. Descobrir sons matinais, do entardecer ou o silêncio noturno que não se cala. Alegrar-me com o coaxar dos sapos, rãs e pererecas que se encharcam com a chegada das chuvas, mas trazem as moscas que importunam a nossa mesa. Fugir de um enxame de abelha que vem zunindo em minha direção – sinal que a floração está atraindo a […]

Continue Reading

Piquenique

Na minha infância, fui leitora assídua de revistas em quadrinhos. Li de Walt Disney a Hanna e Barbera, passando por Bolinha e Luluzinha e a Turma da Mônica. Aguardava as revistinhas chegarem na cigarreira da esquina. Ninguém aqui chamava de banca, era cigarreira mesmo. Ainda influência do cigarro como moda nos anos 50/60, tempo de James Dean, o rebelde sem causa de Juventude Transviada. Zé Colmeia e Catatau, de Hanna e Barbera, nem estavam entre os meus personagens preferidos, mas um fim de semana na serra, compartilhado entre oito amigas que o pilates reuniu, bem que renderia um animado piquenique, […]

Continue Reading