Rituais cotidianos

Houve um tempo em que o despertar surgia com as primeiras luzes do amanhecer. E o corpo inerte já levantava-se disposto para o trabalho braçal. Corpo descansado da noite anterior, relaxado nem bem o entardecer anunciava a escuridão. O progresso chegou e a noite estabelecida abdicou de adormecer o ser humano. A luz postergou o recolhimento noturno, retardou o descanso reparador. Surgiram os aparelhos eletrônicos e a demora em adormecer prolongou-se ainda mais um pouco. Às vezes, por quase toda a madrugada. Hoje então, o corpo demora a reagir aos primeiros acordes do despertador. Quando se dá conta, levanta-se no […]

Continue Reading

Banho de mar

Chuva no mar

De repente, fez-se tarde de um domingo branco, preguiçoso. Cansado de rebater o sopro constante vindo da terra, o mar serenou. Os barcos ancorados naquele porto-mirim denunciavam a posição invertida do vento. Não era brisa marinha, era o nordeste anunciando o inverno em terras sedentas. A paisagem era convidativa. Impossível resistir àquela piscina infinita. O sol encoberto não refletia o azul marinho, mas a água translúcida permitia ver todo o corpo mergulhado no grande espelho natural. O tempo parara. O mar silenciara. Nem preamar, nem baixa-mar, ponto de equilíbrio. As criaturas marinhas, adormecidas, deixaram que os banhistas usassem e abusassem […]

Continue Reading

Lusco-fusco relaxante

Quem é dona(o) de casa de praia no Nordeste, em época de veraneio, sabe o stress de abastecer a despensa com todos os mantimentos, variadas opções de tira-gosto, bebidas e tudo o mais para visitas previstas e imprevistas e farras improvisadas. É um tal de comprar, beber, comer e reabastecer sem fim. Pois bem, depois de um dia estafante para elaborar cardápio, checar o que tem e o que não tem disponível e comprar o necessário, a pessoa está esgotada. Resultado do movimento de tirar produto de prateleira de supermercado, colocar no carrinho, tirar do carrinho e colocar na esteira […]

Continue Reading

Viagem no tempo

Comecei cedo a adquirir o gosto por viajar. Mal me lembro, fazia com frequência o caminho entre a cidade e a fazenda dos meus avós. Ainda pequenina, a estrada de barro e os solavancos do carro provocavam-me sérios enjoos. Continuei com problemas no labirinto até a fase adulta, mas agora só evito passeios marítimos em águas agitadas. Aos onze anos, papai me presentou com uma excursão ao exterior, quando não havia esse fluxo crescente de viajantes mundo à fora e a viagem de avião era um acontecimento. Os aeroportos recebiam uma comitiva familiar do viajante para embarca-lo ou recebe-lo, todos […]

Continue Reading

Alma renovada

Paisagem do Rio São Francisco

Meu pai acaba de completar 83 anos, meio desanimado, em razão do avanço da idade. Certo dia encontrei um amigo da família que está em plena atividade – apesar de contar com mais de 90 anos – e me disse estar preocupado com papai. Sugeriu uma viagem para animá-lo. Nos terraços do veraneio, tomei conhecimento que uma turma de Caicó iria viajar para Piranhas, cidade alagoana às margens do rio São Francisco, que sempre tive vontade de conhecer. Imediatamente, pensei em fazer o passeio e levar papai para percorrer esse mundão de Nordeste do Brasil, que ele sempre apreciou. Meu […]

Continue Reading

Voos largos

Foto de obra de arte francesa

Ociando. Gramaticalmente falando, será que o verbo ociar pode ser resgatado do latim? De todo jeito, é como estou me sentindo. Acordando sem o barulho insistente e irritante do despertador. Levantando, sem pressa, para uma caminhada matinal, testemunhando o despertar de uma cidade. A luz das primeiras horas da manhã tropical é mesmo revigorante. Ela não surge sorrateira. Aos primeiros raios solares, expõe sua força, rasgando a escuridão com uma intensidade estonteante para despertar o corpo letárgico. Seres humanos em caminhadas e corridas, trabalhando o corpo para alimentar a alma, ou vice-versa. Calçadas sendo varridas, lixo recolhido. O cheiro do […]

Continue Reading