Cerâmica na Paraíba

Touro em cerâmica

Dia 28 de maio é o dia dedicado aos ceramistas. Essa arte me encanta por demais, sou decididamente ligada à tudo que vem da terra. A cerâmica, então, demonstra toda a delicadeza e habilidade de quem usa as mãos para amassar, trabalhar, manusear, girar, acarinhar a argila, produzindo peças incríveis. É mesmo coisa de pele.

Na vizinha capital da Paraíba, João Pessoa, podemos encontrar artistas exímios nessa arte milenar. Com a intenção de visitar os ateliês de lá, partimos eu, minha mãe artista plástica, uma amiga arquiteta e um amigo também artista em viagem tipo bate-volta.

Visitamos a casa/ateliê/galeria de Miguel dos Santos, pernambucano de nascimento, paraibano por opção, ceramista, escultor, pintor e artista plástico. Transitamos por entre suas obras, cuidadosamente expostas às margens da piscina, formas inusitadas em madeira, mármore ou cerâmica. Carinhosamente recebidos por sua esposa, em razão de sua ausência no lugar, tomamos um cafezinho rodeados das pinturas coloridas do dono da casa.

Obra de Miguel dos Santos

Inspirado na memória das três raças – branco, negro e índio – Miguel dos Santos produz arte como manifestação espiritual da alma, com destaque para o totem como anseio de verticalização do homem em ascensão ao eterno.

Dali seguimos para a Galeria Gamela, onde fomos muito bem recebidos por Roseli, com sua simpatia e acervo destacado de artistas paraibanos. Ela nos mostrou trabalhos incríveis de Flávio Tavares, Denise Costa, Raul Córdola, Chico Ferreira, Miguel dos Santos, entre tantos outros. Injeção de arte diretamente no olhar.

Uma pausa para conhecer e degustar os sabores da Cozinha Roccia, enquanto torcíamos para que Maria dos Mares pudesse nos receber. Ficou para outra oportunidade. Seguimos na busca do ateliê de Chico Ferreira com a ajuda do mapa do celular. Precisamos perguntar para uma passante onde ficava exatamente a casa, porque o GPS nos indicava uma direção oposta na mesma rua.

Tocamos a campainha e aguardamos. Encontramos, de saída, outro casal que seguia a nossa mesma rota. Chico nos recebeu com a fidalguia sertaneja das terras de Catolé do Rocha. A casa/ateliê é rodeada de árvores e plantas, verde exuberante e um cantinho especial para um bate-papo regado a cafezinho, servido naquelas xícaras de ágata, tão presentes em nosso sertão.

Ao contrário dos visitantes, o artista não tinha pressa. O encontro entre colegas de profissão rendeu uma boa conversa, abreviada pelo adiantado da hora. Estávamos preocupados com o retorno à estrada e fomos visitar o ateliê. Chico Ferreira explicou pacientemente todas as etapas da produção, circulamos entre peças enormes e objetos utilitários, com a presença do sertão paraibano impregnado em suas obras.

Voltamos para casa com alguns exemplares de sua cerâmica. Inebriadas com um dia de arte na Paraíba e com vontade de quero mais.


Miguel dos Santos, ceramista, pintor, escultor pernambucano, radicado na Paraíba

Chico Ferreira, ceramista, pintor e escultor paraibano

Leia também

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *