Depot – Um grande armazém de arte

No próximo dia 06 de novembro de 2021, a cidade de Roterdã, na Holanda, abrirá as portas do Depot Boijmans Van Beuningen. Será o primeiro depósito de arte acessível ao público no mundo.

Muitas obras de artes ficam armazenadas em depósitos nos porões dos museus ou em locais específicos, com condições climáticas e de iluminação ideais para conservação; ou, por vezes, em trabalhos de restauração. Tudo longe dos olhares dos apreciadores de arte.

No caso do Depot (vamos abreviar porque o nome completo é difícil para nós brasileiros), os visitantes poderão ver o resultado de 172 anos de coleta. Mais de 151.000 obras de arte armazenadas juntas, organizadas e estruturadas em espaços de depósito, que lembram uma grande biblioteca.

Quatorze compartimentos climatizados estão equipados com racks deslizantes e armários para todas as diferentes obras de arte. Existem depósitos para pinturas, metais, para materiais orgânicos e não orgânicos, fotografia a preto e branco e a cores. A umidade e a temperatura são mantidas estáveis ​​nas áreas de depósito.

A visita guiada pode ser agendada e você terá acesso aos grandes painéis que abrigam as obras cuidadosamente catalogadas. Nos andares superiores, acompanhe o trabalho de conservação, manutenção e restauração de obras do acervo. Bastidores do ambiente de trabalho completamente revelados!

O edifício foi projetado com paredes de vidro, que permitem a visualização das obras de arte de todos os pontos de vista: da passarela, das escadas e do elevador.

Projeto do arquiteto Winy Maas, cofundador do escritório de arquitetura MVRDV de Rotterdam, o Depot possui uma forma arredondada, com fachada espelhada composta de 1.664 painéis, que reflete toda a cidade e passa a integrar o seu entorno.

A preocupação com o verde também está presente. A vegetação do jardim da cobertura com restaurante flui para os arredores verdes do parque onde está localizado esse grande armazém de arte, vizinho ao Museu Museu Boijmans Van Beuningen.

Os bastidores de um grande armazém de arte revelados nessa marcante iniciativa, que, certamente, modificará a maneira de pensar os museus na atualidade, além de ser um marco arquitetônico da cidade de Roterdã.

Todas as fotos do post foram todas capturadas no site da MVRDV – Architects de autoria de Ossip van Duivenbode
TVC – Depot Boijmans

Aqui em Natal, do outro lado do Atlântico, continuamos na expectativa da abertura da Rampa (patrimônio histórico da cidade) que, pelo que está sendo divulgado pela Casa da Ribeira, será um “arte museu paisagem”.


Acesse também: A surpreendente arquitetura de Roterdã; Felícia Leirner e um museu a céu aberto; Quem vive de passado é museu, de presente e futuro, também; Inhotim, um jardim botânico com arte.

Leia também

1 comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *