Enxergando a cidade por outros ângulos

O despertador toca e nem sinal do amanhecer. Em tempo de “inverno” na linha do equador, o sol surge depois das 5 horas, mas o corpo levanta antes das cores do amanhecer.

Precisa despertar antes da hora; aproveitar o pouco fluxo de carros para prática do ciclismo. Uma nova onda que tomou conta da cidade e ganha adeptos a cada dia, para desespero do motorista que é obrigado a aprender a compartilhar o pouco espaço do asfalto. Um caminho verde sem volta.

Um aspecto valioso no passeio ou treino de bicicleta é a possibilidade de enxergar a cidade por novos ângulos; nem tão rápido quanto na passagem do carro, nem tão lento quanto os passos da caminhada.

A bicicleta permite chegar a lugares não visitados rotineiramente, basta ter sensibilidade para encontrar ou reencontrar espaços públicos.

No passeio de hoje, acordamos juntas com a Vila de Ponta Negra. Corpos preguiçosos aguardando o transporte público para mais um dia de labuta. Uma parada na Igrejinha da Vila, pose para fotos e a ajuda de uma simpática e disponível alma feminina para clicar todas as participantes do grupo.

Praia de Ponta Negra | Natal/RN

Um pouco mais adiante, o visual do Morro do Careca quase na mesma altura. Descemos uma estreita escadaria de acesso à praia e a chegada ao paraíso de nossa cidade. Um mergulho no azul do mar.

Alguns turistas conversavam sobre a beleza da praia de Ponta Negra. Nadadores, caminhantes e duas mulheres aposentadas, sorrindo satisfeitos em aproveitar a beleza da natureza. Bem perto, um homem parecia fazer uma prece para o mar; alguns pescadores jogavam conversa fora, enquanto suas jangadas descansavam na areia.

O Morro do Careca nem parece ter a altura da minha infância, mas foi muito bom reencontrá-lo. A maré seca permitiu prosseguirmos pela beira-mar até próximo ao Centro de Convenções.

Um pedal suave, temperado pela maresia e os primeiros raios do nascente, o azul impregnando a pele, o vento de agosto e o olhar sobre a mais bela praia de nossa cidade. Do mar para terra, reflexos das construções que acolhem o turista ou o morador que sabe usufruir o que a terrinha tem de melhor a oferecer à beira-mar.

Sombras, reflexos, risadas, sonhos, liberdade, paz. O azul inundando corpos relaxados em movimento. Que bom enxergar minha cidade por outros ângulos!

Praia de Ponta Negra | Natal/RN – Brasil

Tim Maia

Azul da Cor do Mar

Ah! Se o mundo inteiro me pudesse ouvir
Tenho muito pra contar
Dizer que aprendi

E na vida a gente tem que entender
Que um nasce pra sofrer
Enquanto o outro ri

Mas quem sofre sempre tem que procurar
Pelo menos vir a achar
Razão para viver

Ver na vida algum motivo pra sonhar
Ter um sonho todo azul
Azul da cor do mar

Alexandre Pires e Seu Jorge – Azul da Cor do Mar / Me dê Motivo

Se você pratica ou gosta de ciclismo, acesse: Minha ini(A)miga, a bicicleta, Será insanidade ou prazer?, Arte no limite do corpo humano e Mont Ventoux.

Leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *