Moderno… pra contemplação dos olhos de hoje

Espiava a conversa de duas artistas, procurando palavras para reproduzir um encantamento.

Assisti de perto as primeiras pinceladas, vislumbrei algumas obras, mas não consegui captar a grandeza da exposição que germinava na cabeça do curador.

No entanto, ao participar da última reunião do trio, tinha material suficiente para tentar, leia bem, (tentar!) descrever a exposição “Moderno… pra contemplação dos olhos de hoje”.

Manoel Onofre Neto enxergou nos trabalhos de Selma Bezerra e Angela Almeida uma magnífica forma de resgatar o Modernismo desencadeado pela Semana de Arte Moderna de 1922, em São Paulo, e trazer o olhar para a contemporaneidade do Rio Grande do Norte, cem anos depois.

Através de linhas imaginárias, a exposição conecta as obras das duas artistas com trabalhos de Erasmo Xavier, Ivon Rodrigues, Newton Navarro e Dorian Gray, tendo a literatura potiguar como fio de ligação.

Se Tarsila teve sua fase pau-brasil, retratando as cores de um Brasil caipira, Selma deixa de lado os papéis ferrados, para pintar o sertão, demonstrando que transita com maestria no retorno às origens de sua pintura e de seu chão.

Selma dialoga com as flores e cores de Tarsila e pinta o sertão de toda vegetação alegre da terra de Jorge Fernandes, criando as “Tarsilianas”, como bem denominou Onofre.

Nesse ambiente, Angela insere os seus “Vaqueiros em Flores”, porque mesmo o herói do sertão é capaz de revelar flores que ainda não foram vistas: azuis – amarelas – vermelhas – pintadas.

Se há espaço para a sensibilidade do vaqueiro, o que dizer das mulheres retratadas pela artista através da série “Eu como somos”? Um roçado de ideias femininas flutuando no ar…

Doutora em estética do sertão, em “Paisagens Originárias – Bordados”, Angela borda o algodão tingido de pigmentos naturais – ouro branco que povoou nosso chão – com linhas cuidadosamente trançadas, revelando poesias visuais de Oswaldo Lamartine, José Bezerra Gomes e Zila Mamede.

Zila, a menina de Nova Palmeira (PB), de olhos cânticos e aromas apreendidos no entardecer rural, mudou-se para Currais Novos e depois para Natal, onde se transformou na poeta respeitada e admirada no país inteiro. O visitante poderá emergir de sua poesia e entender o olhar da poeta sob a ótica de sua coleção particular de obras visuais.

Todos esses artistas estarão reunidos na Pinacoteca, tecendo uma cadeia antropofágica que engole os ideais modernistas e regurgitam arte em terras potiguares.

Imperdível!!!


Exposição “Moderno… pra contemplação dos olhos de hoje”

Local: Pinacoteca do Estado do Rio Grande do Norte (Palácio Potengi)

Abertura: Sábado | 10h | 06 agosto

Visitação: Terça a Sexta (08h às 17h) e aos Sábados e Domingos (09h às 16h) até 02 outubro de 2022


Ficha técnica expositiva

Artistas: Angela Almeida e Selma Bezerra
Curadoria: Manoel Onofre Neto
Projeto de arte e expografia: André Barros
Coordenação Pinacoteca: João Natal
Direção Geral Fundação José Augusto: Crispiniano Neto
Moderno…pra contemplação dos olhos de hoje – Angela Almeida e Selma Bezerra

Para conhecer um pouco mais do trabalho das artistas, leia também: Memórias Roubadas e Olhares refletidos entre seus dedos.

Leia também

4 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *