O berço de quatro gerações

A boa nova da gravidez de Eduarda, minha nora, veio quando eu chorava a morte de papai. Haroldo, que tanto quis um bisneto, partiu meses antes da chegada de Henrique, o meu neto.

Assim que soube da notícia e com a gravidez correndo tranquila, resgatei uma preciosidade da família. Reginaldo Linhares e sua equipe nos presenteou com a restauração.

No depósito, guardava o berço que acolheu minha mãe, meu tio, eu e meus irmãos, meus primos e meus filhos, Luiz Henrique e Cecília. Feito de madeira nobre, o berço zelou o sono das crianças de três gerações de nossa família.

Veio lá do Seridó, passou por Currais Novos, foi testemunha do parto na fazenda Ingá, em Acari, e chegou a Natal, quando os meninos passaram a nascer nas maternidades. Carrega os valores do sertão, temperado com a brisa marinha da cidade do Sol.

Agora, passa a acolher a quarta geração da família, que carrega no sangue a força dos antepassados sertanejos, de Acari, Currais Novos, Caicó, Jardim do Seridó, Angicos e Santana do Matos. Do litoral potiguar, traz a herança de Ceará-Mirim.

Henrique, meu neto, acaba de nascer; chegou na madrugada do dia 10 de novembro de 2021. Já fez do berço o seu cantinho. Eu, como avó, fico de queixo caído ao ver aquele “pacotinho” ali aninhado.

De vez em quando, uma lágrima teima em rolar. Emoção pura ao ver aquela criancinha ainda tão frágil e, ao mesmo tempo, capaz de despertar sentimentos tão fortes para quem está ao seu redor, tradução da palavra amor.

Meus filhos tiveram o privilégio de alcançar uma trisavó viva. Mamãe Dulce, mãe de vovó Yvete disse a papai: meu neto, dê cá teu neto! E ainda tiveram a graça de conhecer três bisavós. A bisavó Aliete desempenhou o papel de supermãe, tamanho o cuidado que dedicou aos meus filhos. A bisavó Ana (do lado paterno) viveu 108 anos; a bisavó Yvete (do lado materno), 101 anos; família longeva…

Agora sou eu a avó. Henrique chegou para perpetuar a família. Vou assimilando lentamente essa nova missão, ansiosamente desejada. Uma amiga – também avó – disse que é um sentimento de mão única, sempre crescente. Já embarquei nessa direção; uma vontade constante de estar sempre ao seu lado.

Olho para ele e imagino o futuro; tantas interrogações a serem respondidas com o passar dos anos… Espero estar sempre presente, transmitir-lhe os valores que aprendi com meus pais, que aprenderam com os seus e assim por diante. Uma mão que segura a outra.

Pai e filho. logo após o nascimento

Seus olhinhos são vivos e curiosos. Sinal de quem gosta de aprender, fazendo valer a lição de Sócrates: só sei que nada sei.

Observo o cuidado do pai e da mãe e fico supertranquila de ver a felicidade estampada no rosto, sem temor à responsabilidade de serem pais. No quarto de Henrique, o berço precioso zela o sono da quarta geração de minha família.

Emoção, bênção, graça, felicidade – significados da palavra “amor”!


Roberta Campos e Nando Reis – De Janeiro a Janeiro (Video Oficial)

Acesse também: Crianças à beira-mar; Cultura da criança; Não basta ser pai, tem que participar.

Leia também

16 comments

  1. Que belíssimo texto! Me emocionei! Parabéns para essa vovó que tao belamente expressa seu amor! Bençãos para Henrique😘❤️

  2. Meus cumprimentos , Elza ! Momento ímpar para você com muita história familiar enraizada por gerações e entrelaçada por amor maternal a continuidade de uma saga oriunda do nosso Seridó . Bençãos e proteção divina a Henrique , pais e avós.

    1. Parabéns elzinha, vc será uma avó brilhante, aqui em são Tomé prservo tudo de meus avós, e uma sensação maravilhosa ver nossa história passar de geração em geração, hj ja busco alguém p me substituir na hora da minha partida, apareça.

      1. Oi Nina,é muito importante preservar a memória de nossos antepassados. Estamos muito felizes com a chegada de Henrique. Agradeço o convite, quem sabe apareço no Alto do Céu… Forte abraço.

    2. Íbero, uma felicidade imensa em acolher o mais novo membro da família. Que ele carregue a fortaleza do sertão e os valores familiares. Muito obrigada, grande abraço.

    3. Seja bem vinda ao nosso clube das vovós, amor incondicional, maior que nós, cada dia passamos a amar Mais, que Henrique encha seus corações de muito amor, alegria e luz. Bjs

  3. Feliz com sua felicidade em ser avó e parabéns por conservar um móvel através das gerações, coisa rara em tempos de materiais diferentes e tanta tecnologia. Certeza que todos os valores da primeira geração serão transmitidos para Henrique, e quê ele traga muita felicidade e orgulho pra toda família.

    1. Oi Elinha, estamos compartilhando nossa alegria. Guardei com muita carinho o berço de nossa família. Agora essa preciosidade vai ser usada pelas gerações futuras, carregando no sangue o nosso DNA. Muito obrigada amiga!😘😘

  4. Parabéns, Elzinha,
    Que o netinho seja herdeiro da sensibilidade da avó e da bisavó – Selma – porque o viver estético de vocês têm o sentido amplo da preciosa manta do sentir. 🙅🏻‍♀️

    1. Elzinha como é prazeroso parar um pouco e se deleitar com sua crônica que carinhosamente fala do nosso cotidiano, hoje já tão desgastado.
      Meu abraço e parabéns para seu netinho que teve a graça de chegar para abraçar essa família tão querida. Bjs

      1. Oi Mirna, vc sabe o que é ser avó na minha frente. Agora o neto vai fazer parte do meu cotidiano. Espero encontrar inspiração para continuar a traçar palavras. Muito obrigada amiga!😘

    2. Oi Denise, eu e mamãe estamos muito felizes com a chegada de Henrique! Recebido com tanto amor, certamente esbanjará sensibilidade. Muito obrigada pelo carinho. Beijo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *