Tarsila Popular

Tarsila do Amaral “Encontrei em Minas as cores que adorava em criança. Ensinaram-me depois que eram feias e caipiras. Segui o ramerrão do gosto apurado… Mas depois vinguei-me da opressão passando-as para minhas telas: azul puríssimo, rosa violáceo, amarelo vivo, verde cantante, tudo em gradações mais ou menos fortes conforme a mistura de branco. Pintura limpa, sobretudo, sem medo de cânones convencionais. Liberdade e sinceridade, uma certa estilização que adotava a época moderna. Contornos nítidos, dando a impressão perfeita da distância que separa um objeto de outro“. Ainda adolescente, tive um caderno com a capa do “Abaporu”. Não tinha qualquer […]

Continue Reading

Camuflagem

Flor do Mulungu

Navegava eu à procura de expedições fotográficas, quando me deparo com as instruções de um workshop sobre fotografia da natureza, no qual são proibidas roupas pretas, vermelhas, brancas e brilhantes. A camuflagem é fundamental para captura de belas imagens no ambiente selvagem. Em sentido oposto, de imediato penso na selva humana que, a cada segundo, busca as melhores poses para exibição nas mídias sociais. Uma das faces do mundo virtual. Basta um caminhar na praia, um passeio no shopping, uma parada para um cafezinho ou mesmo degustar uma simples refeição – não precisa nem falar em experiência gastronômica – encontraremos […]

Continue Reading

O Ateliê de Aécio

Quadro de Aécio Emerenciano

Quem passa ao largo, ignora. Também, com o mar à frente descortinando o verde que varia do mais escuro na linha do horizonte, passando pelo esmeralda dos canais mais profundos e chegando ao “baldeado” pelo movimento das águas rasas, não podia ser diferente. A primeira providência desse alguém é deleitar-se com o quebra-mar, um pouco mais lá dentro, acusando a presença dos arrecifes submersos que, aqui e acolá, escurecem o verde marinho, vindo dar quase na praia, junto aos botes que descansam seus motores, enquanto seus pescadores repousam nos leitos de suas Marias. As jangadas, escassas, mas ainda presentes, por […]

Continue Reading

Crianças à beira-mar

Numa caminhada matinal quase diária durante o veraneio, sigo beirando o mar, desviando das espumas que ainda insistem em tocar meus pés descalços, enquanto a maré recua, ampliando a faixa de areia para os frequentadores da praia. Passo apressado para queimar os excessos da temporada. Treino o olhar de fotógrafa, enquanto tento assimilar os quadrantes e transporta-los para o papel de cronista. Respiro o cheiro do mar, piso na areia molhada, desvio aqui e acolá de pequenas caravelas que encalharam na praia. O sargaço ainda não dominou a extensão da areia, mas salpica de quando em vez o chão lambido […]

Continue Reading

Desafio da serra

Juntando o útil ao agradável. É assim que me sinto quando saio para fotografar competições de ciclismo. Sigo as trilhas devidamente mapeadas para os competidores, mas o olho de fotógrafa da natureza perde o foco quando se depara com o verde esparramado no caminho. Ano passado, contornei a Pedra da Boca, em Araruna/PB, mas parei tanto no trajeto, clicando a paisagem do inverno sertanejo, que perdi os ciclistas no percurso. Quando me dei conta, tive que tomar atalho até o ponto de apoio para fazer o dever de fotógrafa de mulher e mãe de ciclista. Esse fim de semana, a […]

Continue Reading

Entardecer

Pôr-do-sol no rio Potengi

Cai a luz sobre o rio manso, seguindo seu curso em direção às aguas oceânicas. Maré alta penetrando nas águas doces do Potengi. Um sombreado avultando-se, ainda sem o entremeado de luzes dedilhadas. Da minha janela, dois cubos imponentes impedem a minha visão do astro estrelar em recolhimento. A visão larga da cidade no entardecer ainda me permite ouvir o canto dos pássaros em busca do abrigo noturno. O cão ladra solitário, anunciando os passos dos transeuntes no retorno para casa. Luz amarelada inundando o poente, reflexos do sol nos vidros resplandecentes. E eu assimilando o brilho da tela, buscando […]

Continue Reading

Cidade marinha

A vastidão oceânica delimita o seu entorno. Em grande parte do ano, predomina o verde esmeralda, quando os ventos descansam e a brisa marinha sopra delicadamente a lhe refrescar. Nos meses de agosto, setembro e quiçá outubro, os ventos deixam as águas baldeadas e o verde surge desbotado, como açudes do sertão, que lhe despejam o sobejo no estuário do Potengi. Nasceu junto ao rio – cidade presépio – onde seus prédios históricos, encardidos, escorrem a ação do tempo, carecendo de reparações urgentes. Tem o Potengi como divisor das zonas norte e sul, limitada ao leste pelas praias da Redinha, […]

Continue Reading

Motorista de ciclista

As palavras “paitorista”, “maetorista”, “votorista” foram introduzidas ao dicionário informal, mas será que inventaram alguma denominação para motorista de ciclista? Não que eu saiba, mas esta função está cada vez mais presente. Trata-se da pessoa que vai buscar o ciclista no final de trilhas ou passeios distantes, quando o percurso não permite o retorno pedalando, por causa da exaustão. Aí então a cronista resolve ir buscar o maridão no final da pedalada. Não que seja uma imposição, mas uma opção, porque no caminho o olho de fotógrafa pode registrar cliques interessantes. A nova função termina sendo uma diversão para a […]

Continue Reading