Revelando fotos misteriosas

A prática de colecionar objetos pode render histórias surpreendentes. William Fagan, colecionador de câmeras em Dublin (Irlanda), adquiriu em 2015 uma Leica III. A câmera, produzida entre os anos de 1933 a 1939, veio parar em suas mãos com um rolo de filme não revelado.

Diferentemente do imediatismo dos dias atuais, quando as imagens são produzidas no instantâneo e rapidamente circulam na rede mundial, o rolo de filme permaneceu intacto por mais alguns anos.

Somente em agosto de 2020, Fagan decidiu matar a curiosidade e revelar o conteúdo do filme. Nada a estranhar, porque faz parte da filosofia de um colecionador curtir seus objetos, sem pressa em decifrá-los, ciente que cada antiguidade carrega uma história, por vezes desconhecida.

Com a orientação da fotógrafa Mella Travers, Fagan revelou o filme em uma câmara escura. Aprimorou as imagens através da digitalização e resgatou fotos de um casal, seu inseparável cachorro e um automóvel antigo.

A partir de então, começou o trabalho de investigação para tentar descobrir o ano, os lugares e, principalmente, as pessoas elegantemente vestidas nas poses capturadas por um fotógrafo que sabia manusear a câmera.

Por causa das leis de privacidade, não é possível identificar os compradores de câmeras, nem as informações do proprietário do carro. Para tentar revelar o segredo das fotos misteriosas, com um sentimento de tristeza por esse talentoso fotógrafo nunca ter visto o resultado do seu trabalho, Fagan decidiu divulgar esse achado. A BBC News e The New York Times publicaram sua história.

Desde então, centenas de e-mails chegam diariamente com informações sobre os lugares e possíveis protagonistas das fotos em seu tempo. Um verdadeiro quebra-cabeças vem sendo montado; um trabalho de formiguinha do detetive/colecionador.

O BMW 315, placa AB 52 3287

O carro foi identificado como um BMW315 (com uma possível placa da Baviera – AB 52 3287). A roupas, o porte elegante, o automóvel, os cenários (que incluem montanhas de neve), tudo leva a crer que se tratava de uma viagem entre a Suíça e as cidades do Lago Como no norte da Itália.

Uma das fotos pode ser em Bellagio (Itália), na Via Giuseppe Garibaldi, com a Basílica de San Giacomo ao fundo. Em outra foto, a mulher e o dachshund estariam na Bahnhofstrasse de Zurique, com “carros americanos do pós-guerra sendo usados como táxis”. La Veduta no Passo Julier (Suíça) seria outro lugar clicado…. As suposições são muitas e o mistério continua!

William Fagan acredita que as fotos foram feitas no início dos anos 50, possivelmente por alguém da Áustria, Baviera ou Suíça. Para ele, o importante é tentar encontrar algum familiar ou pessoa que reconheça o casal e possa identificá-los para receber essas imagens.

Entrei em contato com Fagan e pedi autorização para publicar sua história. Não por acaso, o rolo de filme permaneceu bem acondicionado em sua embalagem. Lembrei das mensagens em garrafas de vidro, navegando nos oceanos do mundo.

Quem sabe a rede mundial não permite uma identificação dos personagens a partir de um país do hemisfério sul, setenta anos depois?!


Você pode entrar em contato com William Fang através do site Mike Evans, usando o seguinte e-mail: info@macfilos.com


Acesse também: Entrevista com Marcelo Buainain, Olhar inverso, John Lennon em Nova York por Bob Gruen, Caixas e álbuns de fotografias.

Leia também

4 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *