Quem vive de passado é museu, de presente e futuro, também

Cais do Sertão – foto de Nelson Kon, capturada no site de Brasil Arquitetura Quando se fala em museu, vem logo à mente a imagem de coisas velhas e construções antigas, daí o dito popular: “quem vive de passado é museu”. Mas, e se a cidade é aberta para mesclar o novo e o antigo, criando construções contemporâneas, atraindo um público que se interessa por aspectos culturais, antropológicos, geográficos e tantos outros que marcam a história e constituem o patrimônio de um povo? Ainda bem que muitos lugares têm cabeças abertas para transmitirem às novas gerações as lições do passado, […]

Continue Reading

Mestre Espedito Seleiro

Foto capturada no site www.badalo.com.br/ Euclides da Cunha – Os Sertões O Vaqueiro “O seu aspecto recorda, vagamente, à primeira vista, o de guerreiro antigo exausto da refrega. As vestes são uma armadura. Envolto no gibão de couro curtido, de bode ou de vaqueta; apertado no colete também de couro; calçando as perneiras, de couro curtido ainda, muito justas, cosidas às pernas e subindo até as virilhas, articuladas em joelheiras de sola; e resguardados os pés e as mãos pelas luvas e guarda-pés de pele de veado — é como a forma grosseira de um campeador medieval desgarrado em nosso […]

Continue Reading

Aman e Bupitanga, hotéis imersos na vegetação

Folheando uma revista de decoração, encontrei o Hotel Aman Kyoto. Projetado pelo arquiteto australiano Kerry Hill, o hotel levou vinte anos para sair do papel, percorrer o longo caminho da burocracia e estar completamente concluído. Inserido em um exuberante bosque de cedro e bordo, nos arredores da cidade de Kyoto, no Japão, proporciona ao hóspede um contato íntimo com a natureza do lugar. Aman Kyoto representa a fruição de uma bela paisagem concebida pela primeira vez como o jardim de um museu têxtil. Caminhos de pedra caprichosos se curvam suavemente ao longo do chão da floresta e lajes de pedra […]

Continue Reading

Prêmio Pritzker de Arquitetura

Universita Luigi Bocconi – Foto capturada em www.pritzkerprize.com, cortesia de Federico Brunetti. Marcus Vitruvius Pollio, arquiteto romano que viveu no século I a.C., deixou para as gerações seguintes a obra De Architectura, na qual constam os princípios conceituais da arquitetura clássica: “utilitas” (utilidade), “venustas” (beleza) e “firmitas” (solidez). Esses mesmos princípios constam no verso do medalhão de bronze, gravados na língua inglesa, entregue aos laureados com o Prêmio Pritzker, uma espécie de Prêmio Nobel da Arquitetura, que escolhe, dentre os arquitetos vivos, aqueles cujo trabalho demonstra uma combinação de talento, visão e comprometimento, com contribuições consistentes e significativas para a […]

Continue Reading

Futuro que se faz presente

Quando era criança, adorava o desenho animado “Os Jetsons” de Hanna-Barbera. Não perdia um episódio e me divertia com os personagens da família – George, sua esposa Jane e seus filhos Elroy e Judy, além, é claro, da babá robô Rosie e do cão Astro – moradores de Orbit City. Na infância/adolescência, meus filhos jogavam Sim City, administrando uma cidade fictícia que pipocava progresso de acordo com as decisões tomadas. Agora o futuro bate às portas do Japão. Aos pés do Monte Fiji, distante aproximadamente 100km de Tóquio, a Toyota decidiu criar uma cidade protótipo (tudo a ver com a […]

Continue Reading

Aero na memória

Aeroclube do Rio Grande do Norte – Foto de Jaeci Emerenciano A lembrança chega como uma foto desbotada em preto e branco. Acho, mas não tenho certeza, que estava vestida de índia. Alguns colares, um saquinho de confetes, rolos de serpentina e uma lança de plástico – para jogar água nos foliões – completavam a fantasia. Nada de lança-perfume Rodouro, proibida desde 1961, por determinação do então Presidente Jânio Quadros. Estávamos no início dos anos setenta e eu me preparava para ir a minha primeira matinée de carnaval. Isso mesmo, as crianças tinham direito a um baile. Uma prévia do […]

Continue Reading

Pedra abrigo

Apinhadas ou isoladas, as pedras equilibram-se pela força da natureza rude. Para os habitantes de ontem, serviram de esconderijo e proteção. Os abrigos foram aprimorados, as pedras passaram a sedimentar alicerces, solidez necessária para erguer paredes e coberturas. Rochas exalam uma permanente robustez. Segurança necessária para abrigar gente, povoar a terra que lhe fez chão. Refúgio para intempéries da natureza, sol, chuva, vento, calor, frio, relento, inverno, verão. Ganharam formas e embelezamento, viraram castelos, fortalezas, palácios, templos para acolher homens, deuses, santos e fieis. Edifícios foram adornados com pedras, muitas vezes preciosas. Inspiraram o povo simples a buscar o conforto […]

Continue Reading

Aconchego

Moro em apartamento, mas tenho um jasmim na varanda, só para lembrar da casa de minha infância e adolescência, na Rua Abdon Nunes, onde a planta espalhava seu cheiro à noite pelo jardim. Pura memória olfativa! Um casal de sanhaçu descobriu meu jasmim. Em determinada época do ano, vem ali fazer o seu ninho. De manhã, cedinho, eles começam a cantar. Como é próximo ao elevador, saímos em silêncio, para não perturbar o sossego do casal. À tardinha, a cantoria se repete, lembrando as ruas arborizadas e as fazendas na hora do entardecer. Nós, humanos, também temos nossos ninhos. Aqui […]

Continue Reading