Sabor preservado

Ler é um passatempo gostoso. Seguindo as linhas do livro “Comer é um sentimento”, do crítico gastronômico François Simon, deparei-me com a frase seguinte: “Ao concentrar-se em um lapso de tempo reduzido, um prato revela todo o seu sabor, o seu sal e a sua verdade”. As palavras ecoaram na minha mente e levaram-me à crônica sobre a comida sertaneja tão presente na memória gustativa da infância, revelando todo o sal daquela terra chamada sertão. Resgato para os leitores o sabor da mesa sertaneja através da crônica “Sabor preservado”, publicada no livro Sertão, Seridó, Sentidos. Despertei com um desejo infantil […]

Continue Reading

Aboiando

A crônica “Aboiando” faz parte do livro Sertão, Seridó, Sentidos. O terceiro domingo do mês de julho foi escolhido como o “Dia do Vaqueiro Nordestino”. Compartilho com você leitor a minha homenagem a essa figura tão importante da cultura do Nordeste. O vaqueiro veste orgulhoso a perneira marcada pelos estribos e passa as correias do guarda-peito pelo pescoço. Do lado de fora da casa, calça as esporas e dirigi-se ao animal selado. Verifica se a cilha está bem apertada, segura forte o arção, testando a segurança da sela. Desamarra o cabresto, prendendo-o sob a sela, segura as rédeas e monta […]

Continue Reading

Permanente robustez

O mês de julho é bastante significativo para o seridoense, que não o conhece pelo nome, mas como mês de Santana. Para mim, era sempre a época de aproveitar a festa de Santana e percorrer as terras dos meus antepassados, marcadas pela robustez das pedras que sedimentam a devoção ao Seridó. Este ano, por causa da pandemia, as festas religiosas e pagãs estão suspensas. Para marcar esse momento, relembro a geografia dessa região tão especial, transcrevendo a crônica Permanente Robustez, publicada no livro Sertão, Seridó, Sentidos. Rente ao chão, observo os contornos que me circundam do alto. A visão estende-se […]

Continue Reading

Andorinhões errantes

Essa crônica está publicada no livro Sertão, Seridó, Sentidos. Em tempo de isolamento social, sinto vontade de ser um andorinhão, percorrer o mundo sem destino, apenas voando. Embebida pela curiosidade e pelo desafio, topo a escalada. No início, sigo seu passo firme sem muita dificuldade. À medida que a subida toma forma, o coração acelera, fazendo ecoar um batido forte, ritmado. Um tanto preocupada, diminuo a velocidade e me concentro na sua história. O sonido do celular toca insistente, uma mão sonolenta o faz calar. Lá fora, o galo bate as asas antes de fazer ecoar seu canto madrugador. São […]

Continue Reading

Sorriso de menino

Chegando à casa do seu bisavô, sede do esplendor de antanho, quando o Coronel José Bezerra guiava as rédeas do seu povo, buscou no velho limoeiro sinais de uma fotografia antiga, secular, na qual a família reunida deixava sua identidade para as gerações vindouras. O tambor e a caixa azuis de plástico são os únicos sinais de modernidade, contrastando com as marcas que o tempo impregnara na casa malcuidada. No alpendre estreito, assentado nas pedras cuidadosamente perfiladas em um alicerce sólido, apenas um banco tosco e duas cadeiras sob a janela. Nenhum sinal das conversas que alimentavam os temores da […]

Continue Reading

Caminho da infância

O caminho encurtando e o frio na boca do estômago acentuando-se. Silenciosamente, temia não reconhecer o traçado tantas vezes percorrido na infância. Consciência pesada pelos anos de ausência. Procurei não transparecer a incerteza quanto ao momento certo de largar o asfalto, tomar a estrada de barro e seguir pouco menos de dois quilômetros, na terra seca batida, até chegar à fazenda dos meus avós maternos. A paisagem alimenta a alma saudosa. De um lado e de outro, a caatinga entrelaçada, despida de folhagem. Nem a tristeza da estiagem afasta a alegria do retorno. Céu anil desanuviando a rocha no alto […]

Continue Reading

Fé inabalável

Novembro escaldante, final de tarde de uma terça-feira. Aos pés do monte, nenhum movimento de peregrinos. Barracas desarmadas, apenas uma lojinha aberta, expondo os artigos religiosos para as almas agraciadas que habitam o lugar. As demais permanecem fechadas, aguardando a chegada dos fiéis em romaria, especialmente na Semana Santa. Na quietude, subo os degraus e as rampas inclinadas, tentando assimilar a aura sagrada do lugar. Ao longo do trajeto, as estações da Via Sacra, doações das famílias de Carnaúba dos Dantas. As imagens sagradas são adornadas por flores coloridas de plástico, únicas capazes de resistir ao clima seco da região. […]

Continue Reading

Fazenda em festa

Fazenda Pitombeira | Acari/RN Verdes, brancas, azuis, amarelas, vermelhas. Os dedos, impregnados de cores e sujos de cola, pregavam, uma a uma, as bandeirinhas coloridas no cordão esticado entre um pilar e outro do alpendre. Sentadas no chão, recortávamos revistas velhas, com fotos bem coloridas, em formato de bandeirinhas ou de pequenos balões. No alpendre lateral, mãos não vadeavam. Quebravam a ponta da vagem, puxavam o fio até o final e, com a ajuda da unha afiada do polegar, retiravam todos os grãos da vagem. Enquanto a conversa corria solta, as bacias grandes de alumínio aparavam a debulha do feijão […]

Continue Reading