Pioneirismo do voto feminino no Rio Grande do Norte

Dr. Juvenal Lamartine de Faria e Dr. José Augusto Bezerra de Medeiros desembarcando no Rio de Janeiro e sendo recebidos por um grupo de líderes feministas em 1928

Terminei a releitura do livro “Velhos costumes do meu sertão”, de Juvenal Lamartine de Faria, e fiquei matutando com meus botões.

O livro retrata o sertão de nunca mais, num clima saudoso dos costumes que não permanecem. Na vida pública, em sentido contrário, o autor seguiu a corrente do modernismo de seu tempo e teve a coragem de ser um dos precursores do voto feminino no Brasil.

Nascido na fazenda Rolinha em Serra Negra do Norte/RN, no dia 9 de agosto de 1874, Juvenal Lamartine de Faria formou-se bacharel em ciências jurídicas e sociais pela Faculdade do Recife. Foi redator do jornal “A República”, Vice-Diretor do Ateneu Norte-rio-grandense, Juiz da Comarca de Acari, Vice-Governador do Estado, Deputado Federal, Senador da República e Governador do Rio Grande do Norte deposto pela Revolução de 1930. Exilado na Europa, regressa ao Brasil em 1933, quando passa a dedicar-se às atividades rurais e movimentos intelectuais. Faleceu em Natal, no dia 18 de abril de 1956.

Em 1927, influenciado pela amizade estreita com a cientista Bertha Lutz (ferrenha defensora do voto feminino), o então Senador Juvenal Lamartine de Faria incluiu a defesa do voto feminino como plataforma de campanha ao governo do Estado, fazendo as mulheres saírem da sala de trabalhos domésticos, para participarem das conversas do copiar (exclusivas do universo masculino).

Por sua iniciativa, o voto feminino foi instituído no Estado do Rio Grande do Norte, de forma pioneira no Brasil e na América do Sul. A Lei Eleitoral Estadual nº 660, de 25 de outubro de 1927, sancionada pelo então Governador José Augusto Bezerra de Medeiros, permitiu a todos os cidadãos, sem distinção de sexo, a possibilidade de votar e ser votado.

Ainda em 1927, a professora Celina Guimarães Viana, aos 29 anos de idade, foi incluída no rol de eleitores da cidade de Mossoró; e, em 1929, também no Rio Grande do Norte, Alzira Soriano tomou posse como Prefeita eleita da cidade de Lajes. O pioneirismo potiguar não parou por aí. Em 1934, Maria do Céu Fernandes, nascida em Currais Novos, tornou-se a primeira mulher brasileira a ocupar o cargo de Deputada Estadual.

O sertão do tempo de Juvenal permanece nos seus escritos, mas os ares do modernismo o fizeram pensar alto e concretizar os anseios femininos.

Juvenal Lamartine de Faria (1874-1956)
Bertha Lutz em campanha pelo voto feminino em 1928 – Natal/RN
Celina Guimarães Viana
Alzira Soriano tomando posse como Prefeita eleita de Lajes/RN em 1929
Maria do Céu Fernandes entre os Deputados Estaduais que elegeram o Governador Rafael Fernandes em 1935

As fotos que ilustram este post foram capturadas na internet. Autorias desconhecidas.


Pagan John – Maria Maria (Ao Vivo)

Leia também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *