No Rastro das Águas – Capítulos 44 e 45

(…) E assim ele ia levando a vida. Em meio à seriedade costumeira, principalmente quando tratava de negócios, sempre achava um tempinho para as brincadeiras com os amigos. Divertia-se bastante nesses casos e não desperdiçava uma boa oportunidade para armar das suas. Essas brincadeiras serviam até para desanuviar o clima tenso dos últimos dias da guerra, que continuava, infelizmente, a fazer vítimas. Capítulo 44 Agora era pra valer. O Presidente Getúlio Vargas já adiara o possível. Em julho de 1944, embarcou o primeiro escalão da FEB, com destino a Itália. A fase de intensos preparativos ficara para trás; a partir […]

Continue Reading

Partiu Carnaval

E partiu Carnaval! Uma festa tão brasileira, sucesso no mundo inteiro, marcada pela descontração, irreverência, alegria, improviso, espontaneidade e pluralidade, transformou-se num corredor de regras, polarização, controvérsias, censuras e tantas outras coisas que lhe cassam a essência e desbotam o seu colorido. Dos salões onde os foliões giravam fantasiados nos antigos carnavais, saíram marchinhas que se eternizaram nas bandinhas de sopro. No carnaval do ano passado, essas canções foram alvo de polêmicas diversas e até proibições, mesmo sendo marcas registradas do Carnaval brasileiro, desde 1899, quando Chiquinha Gonzaga lançou “Ó Abre Alas”. Mamãe Eu Quero, Cachaça, Turma do Funil, Aurora, […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulos 42 e 43

(…) No dia 20 de fevereiro de 1943, Eleika veio ao mundo. A alegria de sua chegada foi abafada pela morte de Antônio Bezerra, que faleceu em Currais Novos, quatro dias após o nascimento de sua neta. A cirrose venceu a guerra. Triste e abatido, José Bezerra só conheceu sua filha após a cerimônia do enterro. Aos trinta e quatro anos, sentiu profundamente a ausência de seus pais, que partiram tão cedo, vítimas de doenças distintas. Graças aos ensinamentos transmitidos por eles, podia caminhar com seus próprios pés. Com a família crescendo, esperava desempenhar, com a mesma desenvoltura, a lição […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulos 40 e 41

(…) O dia de retornar a Currais Novos estava próximo. Antes do anoitecer, José Bezerra dirigia-se até um alto, próximo a Muriú, observando a existência de “torres” pros lados do sertão. Aguardava a noite chegar, na tentativa de vislumbrar relâmpagos na mesma direção. Seu coração estava apreensivo. Não tinha notícias de chuva, tudo indicava para mais uma seca. A lua começava a minguar, levando consigo a esperança do sertanejo. A maré morta despediu-se dos veranistas. Revigorado pela temporada no litoral, José Bezerra podia retornar à sua terra. Antes, porém, deveria passar na Capital para inteirar-se dos últimos acontecimentos da guerra. […]

Continue Reading

Dê um spoiler em sua vida

A partir de hoje, o blog recebe a colaboração de Andrea Ebert, ilustradora brasileira, residente em Portugal, que assina a imagem em destaque. Com vasta experiência, Andrea acredita que imagens lúdicas podem transformar gestos e sentimentos. Visite seu site: www.andreaebert.com. Spoiler! Ficou curioso? Essa nova palavra incorporada ao cotidiano gera logo uma expectativa. E ela vem sendo utilizada com bastante frequência. Novos tempos, novos termos, nova linguagem. O termo, originário do inglês, é utilizado quando alguém revela informações sobre parte de uma obra, como um livro ou filme, ou apresenta ambiente de evento sem estar completamente finalizado. É o antigo […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulos 38 e 39

(…) A onda de nacionalismos extremados, encarnados principalmente pelo nazismo alemão e fascismo italiano, transformou-se num conflito armado. Em 1º de setembro a Alemanha tinha invadido a Polônia; dois dias depois, a Inglaterra e a França declararam guerra à Alemanha. A Segunda Guerra Mundial tinha começado na Europa. Os ouvintes ficaram alarmados. Desde a noite anterior, quando uns poucos ficaram sabendo da guerra, não se falava em outra coisa na cidade. O assunto renderia toda a feira a ainda sobraria para os próximos dias. Na época da Primeira Guerra Mundial, não se tinha notícias pelo rádio, pois este nem sequer […]

Continue Reading

Encarando as ondas de Nazaré

Em outubro de 2018, estive com meu marido e um casal de amigos em Nazaré, Portugal. Cheguei até a beira-mar da Praia do Norte, onde Lucas Chumbo estava treinando, enquanto Renan, seu filmmaker, registrava tudo. Janela do Big Wave Tour aberta, mas sem competição. Subi até o farol no Forte de São Miguel Arcanjo e visitei o Surfer Wall, onde estão expostas as pranchas de surfistas recordistas, inclusive a representante brasileira, Maya Gabeira. Imaginei como seria assistir ao campeonato ali de cima, bem próximo ao farol. Mais um evento para incluir na minha lista de coisas a fazer antes de […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulos 36 e 37

(…) Dentro dessa realidade, José Bezerra passou a administrar os escassos recursos da Prefeitura, e assim tornou-se um homem público. Não precisou alterar seu comportamento. Nascido e criado numa sociedade pequena e conservadora, sob rígidos padrões de educação, qualquer que fosse a postura, fosse do homem público, fosse do homem privado, sua retidão de caráter estaria sempre presente. Capítulo 36 O movimento começou cedo na casa do Prefeito. O Plymouth já estava repleto e ainda faltava acomodar alguns pertences. A família aumentou, em 1º de maio de 1937, Haroldo ganhou um irmão, Franklin de Sá Bezerra, nascido em Ceará-Mirim, pois […]

Continue Reading

Entrevista com Mocó

Conheci Mocó através do meu irmão, que me mostrou uma tela do artista visual, natural de Currais Novos, residente nos Estados Unidos. Adorei o trabalho e dei um jeito de fazer uma surpresa e presenteá-lo no aniversário de seus cinquenta anos. Uma rápida busca na Internet e consegui seu e-mail. Me apresentei como sua conterrânea e qual não foi minha surpresa, quando ele me respondeu dizendo ser amigo do meu irmão caçula (estudaram juntos), Karla, sua esposa, é amiga do meu irmão mais velho e Rasmussen, Mussinho e Mocó são a mesma pessoa. A partir daí, trocamos e-mails e falamos do […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulo 34 e 35

(…) Os trinta dias logo se passam, para tristeza dos avós maternos, que logo serão privados da companhia de seu primeiro neto. Os paparicos aumentam e a saudade começa a bater. Em abril, Yvete e José Bezerra retornam a Currais Novos. Vão ao encontro de Antônio Bezerra, aflito para conhecer seu primeiro neto. Seu temperamento alegre e brincalhão ressurge com toda força. Seu encantamento é visível, bem mais perceptível do que o de seu filho. Nesse aspecto, José Bezerra era bem mais parecido com sua mãe. Haroldo veio dar novo ânimo à vida de seu avô paterno, que desde muito […]

Continue Reading

102 anos de vontade própria

Aurélia Bezerra de Medeiros nasceu na segunda década do século XX, em 1917. Recebeu a rígida educação sertaneja, sob as rédeas de seus pais, José Bezerra de Araújo e Maria Dina Bezerra. Aprendeu muito cedo as tarefas da fazenda e adquiriu gosto pela máquina de costura, numa época em que quase tudo era fabricado em casa. Aquela menina de pernas torneadas aprendeu a dançar com a vitrola a corda de seu pai, que fez as vezes de professor. Virou exímia dançarina e caiu na graça do médico recém-formado. Casaram-se em 16 de janeiro de 1937, Aurélia e Dr. Abílio Medeiros. […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulos 32 e 33

PARTE DOIS: ALÇANDO VOOS MAIS ALTOS (1936-1966) Capitulo 32 Após o jantar, a quietude tomava conta de Currais Novos. O movimento já diminuto de cidade de interior, reduzia-se ainda mais. Apesar do calor fustigante durante o dia, o clima amenizava-se à noite. Era uma boa hora para uma conversa entre amigos e familiares, aproveitando a luz do motor, que permanecia acesa até às vinte e três horas. O paleio fazia as vezes do rádio, ainda inexistente no município. José Bezerra apreciava uma boa conversa e costumava frequentar a casa de seu avô, Manoel Salustino. Era lá que estava quando recebeu […]

Continue Reading

Sorriso de menino

Chegando à casa do seu bisavô, sede do esplendor de antanho, quando o Coronel José Bezerra guiava as rédeas do seu povo, buscou no velho limoeiro sinais de uma fotografia antiga, secular, na qual a família reunida deixava sua identidade para as gerações vindouras. O tambor e a caixa azuis de plástico são os únicos sinais de modernidade, contrastando com as marcas que o tempo impregnara na casa malcuidada. No alpendre estreito, assentado nas pedras cuidadosamente perfiladas em um alicerce sólido, apenas um banco tosco e duas cadeiras sob a janela. Nenhum sinal das conversas que alimentavam os temores da […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulo 31

(…) Foram seis horas de uma viagem por um caminho nunca antes percorrido por Yvete, mas cheio de descobertas. A vegetação foi ficando mais escassa, retorcida, mas apresentava-se verde, consequência do bom inverno. O pôr-do-sol à sua frente, por detrás das serras, foi magnífico. Apesar da expectativa, sentia-se segura junto a José e um rubor lhe subiu às faces, pensando em sua noite de núpcias. Exaustos, encontraram Antônio Bezerra e D. Ritinha esperando-os. Foram muito bem recebidos e acomodados na casa de Tomás Galvão, seu primo, que se encontrava na fazenda, pondo-a à disposição dos jovens nubentes até que a […]

Continue Reading

Paixão feminina. Ops, sapatos

Foto capturada no site https://www.pompeishoes.it/ Não sei bem explicar, mas posso até tentar. Longe de teorias complexas e explicações mirabolantes, o fato é que basta uma vitrine bem montada, cores adequadas e modelos perfeitos, para que o olhar se sinta atraído (mesmo quem não é afoita a compras cai em tentação). É fascinação pura. Se você quer agradar o público feminino, fazer a média com sua namorada, mulher ou amiga, dê-lhe um belo par de sapatos. O presente pode até não dar certo – sem problema – será um motivo a mais para ir até à loja, provar novos tamanhos, […]

Continue Reading