A televisão nos anos 60 e 70

Marmelada de banana, bananada de goiaba, goiabada de marmelo, Sítio do Pica-pau Amarelo. Numa cidade polichinelo, encontrávamos Emília e o Visconde de Sabugosa, boneca de pano e sabugo de milho que ganhavam vida na imaginação de Monteiro Lobato, para acompanhar as reinações de Narizinho, Pedrinho, Tia Nastácia e D. Benta. Diversão garantida no finalzinho da tarde, depois das brincadeiras de rua, sem medo de arrancar chaboques de unhas e joelhos. O único medo era do ardor do merthiolate, mais temido que a Cuca e as travessuras do Saci. A TV colorida começava a sedimentar-se nos lares brasileiros, peça única na […]

Continue Reading

A histórica fazenda Acauã

Foto de Wikimedia Commons Em plena pandemia, fui convidada pelo sócio Graco Aurélio Câmara de Melo Viana para fazer parte do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte. Fiquei surpresa, mas, sobretudo, muito honrada com o convite, principalmente porque um dos fundadores do Instituto foi meu trisavô materno, Francisco de Salles Meira e Sá. Assumi o ofício cheia de responsabilidade. Não tenho o currículo do meu trisavô, mas vou tentar honrar o seu nome no resgate da história do Rio Grande do Norte. Agradeço ao sócio Graco esse honroso convite para fazer parte da mais antiga casa de […]

Continue Reading

Águas que curam

No filme “Colcha de Retalhos”, uma cena marcante: a personagem Sofia coloca os pés pela primeira vez no lago construído para ela por seu ex-marido no passado perdido. Como praticante do salto ornamental, o contato com a água lhe trouxe boas e antigas recordações, afastou a amargura de longos anos e a vez retornar à plataforma na piscina. Me transportei para a visita que fiz à fazenda Ingá em março do ano passado. Cheiro de terra molhada; as chuvas escassas chegaram, ressuscitando o leito do rio. As águas turbulentas já tinham acalmado, agora corriam serenas, convidativas. Sem pestanejar, descalcei os […]

Continue Reading

Cerejeiras em flor no Japão

Crédito da fotografia: Yoshio Tomii Todo mundo deve ter uma relação de coisas a fazer ou lugares a visitar ao longo da vida. Isso nos permite sonhar; uma sensação de estar vivo para realizar algo, tipo Jack Nicholson e Morgan Freeman em “Antes de Partir” (fica a dica de um bom filme). Na minha lista consta uma viagem distante para o outro lado do mundo, numa época específica do ano, lá na terra do Sol nascente. Final de março, início de abril, cheia de expectativas para encontrar as cerejeiras em flor no Japão. Sakura – para ser mais exata – […]

Continue Reading

Corre que o verde está chegando

Euclides da Cunha – Os Sertões Sertões… ao atravessá-los no estio…, barbaramente estéreis; ao atravessá-los no inverno…, maravilhosamente exuberantes… Estou de volta à casa no campo. O olhar verdejando com as chuvas que ainda não chegaram em abundância, mas foram suficientes para esconder o ocre da terra seca. Nada melhor que respirar ar puro e me reencontrar com a natureza. Uma vontade imensa de devorar a paisagem, que entra pelos olhos e transpira pela pele. Proibida de muito esforço, optei pelo carro para revigorar o corpo e a mente. Serpenteando na estrada amparada pelos bougainvilles do projeto “Vamos Florir a […]

Continue Reading

Ronnie Scott, 103 anos de extraordinária vitalidade

Foto do jornal Clarín, capturada na Internet Minha Tia Zorilda mora em San Isidro, região metropolitana de Buenos Aires, Argentina. Próximo à sua casa, bem na rua de trás, vive um personagem lendário e famoso: Ronald David Scott, conhecido carinhosamente por Ronnie Scott. Essa semana ele foi recebido por minha Tia e seus filhos Luis e Natália para um chá da tarde. O encontro rendeu esse post, em que Luis descreve um pouco da vida extraordinária desse senhor que lutou na Segunda Guerra Mundial, mantém uma memória e vitalidade inacreditáveis e merece servir de inspiração para muita gente. Ronnie Scott […]

Continue Reading

Ouro branco

No dia que já foi considerado o Dia Nacional da Poesia, publico o poema “A Apanha”, de Zila Mamede. Aproveito a oportunidade para disponibilizar mais uma crônica do livro “Sertão, Seridó, Sentidos”. Um sonho sobre a época do Ouro Branco povoando nosso chão. Ouro branco Uma imagem confusa, embaraçada, clareando aos poucos. No meio do campo tingido de flocos brancos, vi-me pequenina, de bisaco a tiracolo, recolhendo, com certa dificuldade, a plumagem agarrada à catemba. No tato, uma furada na flor seca tingiu de encarnado o algodão. Ao meu redor, minhas amigas de brincadeira no sítio, seus pais e seus […]

Continue Reading

Retrospectiva de dois anos de blog

No domingo, este blog completou dois anos de existência. O último ano foi um caos mundial! A pandemia tomou conta do planeta Terra, isolou pessoas, proibiu viagens, fechou museus, cancelou shows, derrubou negócios, adoeceu milhões de pessoas, desempregou outras tantas e vitimou milhões. Em meio a tanta desgraça, a carga negativa veio em excesso, por todos os lados. A balança está completamente descompensada. Desde o início, o objetivo do blog é trazer leveza à alma do leitor. Se na normalidade a tarefa não era fácil, imagine nos últimos trezentos e sessenta e cinco dias! Tentei manter a calma – também […]

Continue Reading