Muros, muralhas, murais

Kobra | Cacau | São Paulo, 2017 | Foto capturada no site do artista O muro surgiu para proteger e impor limites. De arbustos, varas, madeiras, pedras, alvenaria ou qualquer material que lhe faça a serventia. Cresceu, circundou fortalezas, delimitou cidades, virou uma Grande Muralha, percorrendo mais de 21.000km para defender a fronteira do império chinês. Chegou a dividir uma mesma cidade – Berlim, repartindo a nação alemã em duas doutrinas políticas opostas: a Ocidental (capitalista) versus a Oriental (comunista) em plena Guerra Fria. E ninguém ousasse atravessar essa nova fronteira, corria o risco de morte ou prisão. Mas eis […]

Continue Reading

Tempo sem se perder de si

Ela foi se formando com o passar dos anos. Uma hiperpigmentação de quem já passou dos cinquenta na cidade do sol. Tentei retirá-la, por duas vezes, com o auxílio do laser em consultório dermatológico. Do lado esquerdo do rosto, a mancha é renitente; daqui não saio, daqui ninguém me tira. Alguém me chamou a atenção: ela tem o formato de um coração. Tomei uma decisão, deixei os dois marcarem o compasso da minha vida. Basta um sorriso mais demorado, uma contrariedade ou mesmo uma indignação, para as linhas se expressarem na mais natural demonstração do estado de espírito ou da […]

Continue Reading

Aboiando

A crônica “Aboiando” faz parte do livro Sertão, Seridó, Sentidos. O terceiro domingo do mês de julho foi escolhido como o “Dia do Vaqueiro Nordestino”. Compartilho com você leitor a minha homenagem a essa figura tão importante da cultura do Nordeste. O vaqueiro veste orgulhoso a perneira marcada pelos estribos e passa as correias do guarda-peito pelo pescoço. Do lado de fora da casa, calça as esporas e dirigi-se ao animal selado. Verifica se a cilha está bem apertada, segura forte o arção, testando a segurança da sela. Desamarra o cabresto, prendendo-o sob a sela, segura as rédeas e monta […]

Continue Reading

A evolução da música

Foto capturada no site www.voluntariadoempresarial.com.br Bastou o homem fazer um pequeno orifício no osso de uma ave, para soar um trinado. O barulho facilitou a caça, atraindo certos pássaros. Em outras civilizações, foram os primeiros batuques ou mesmo os chocalhos que atraíram a atenção dos humanos. Enquanto as gerações posteriores tentavam decifrar o que surgiu primeiro, se a flauta ou o tambor, a música já evoluíra o bastante para contar com diversos instrumentos musicais, divididos entre três grandes grupos: sopro, percussão e cordas. Tocados isoladamente ou em grupos harmônicos, proporcionam músicas que refletem os costumes de uma época. Seguem evoluindo, […]

Continue Reading

A arte de cozinhar

Deparei-me com uma frase de Lynda Barry, cartunista e escritora americana: “em nossa era digital, não esqueça de usar suas digitais”. Adorei a frase, especialmente quando acabo de receber o meu Kindle e tento me adaptar à carência tátil do papel (ainda não sei se vou conseguir!). Mas não é de leitura que quero falar. Quando o isolamento forçou o mundo a ficar em casa, muita gente descobriu, desvendou ou reconciliou-se com o hábito de fazer comida em casa. O YouTube virou ferramenta indispensável da cozinha, com seus tutoriais sobre pães, massas, biscoitos, bolos e toda sorte de receitas, das […]

Continue Reading

Ufa, cheguei em casa

Em pausa para recarregar, refleti sobre a importância de diminuir o ritmo de vida para resgatar hábitos saudáveis esquecidos. A desaceleração veio de forma impositiva pela força de um vírus traiçoeiro, que fez a humanidade repensar seu caminho; tempo de aprendizado. Muitos estão optando pela volta às origens rurais, descobrindo belezas e riquezas bem próximas, sem a necessidade de longas jornadas. Nesse espírito, tenho frequentado quase semanalmente a região serrana do Agreste potiguar, construindo um sentimento de pertencimento. E a minha ini(a)miga, a bicicleta, está fazendo parte desse caminho, revelando-me paisagens sob novos ângulos. Os aromas do campo sorvidos gradualmente […]

Continue Reading

Permanente robustez

O mês de julho é bastante significativo para o seridoense, que não o conhece pelo nome, mas como mês de Santana. Para mim, era sempre a época de aproveitar a festa de Santana e percorrer as terras dos meus antepassados, marcadas pela robustez das pedras que sedimentam a devoção ao Seridó. Este ano, por causa da pandemia, as festas religiosas e pagãs estão suspensas. Para marcar esse momento, relembro a geografia dessa região tão especial, transcrevendo a crônica Permanente Robustez, publicada no livro Sertão, Seridó, Sentidos. Rente ao chão, observo os contornos que me circundam do alto. A visão estende-se […]

Continue Reading

Sardinha

Clarissa Medeiros é uma jornalista de alma inquieta. Nos últimos quatro anos, deixou a terra Natal e foi morar com a família nos Estados Unidos. Suas asas bateram novamente e voaram do Novo para o Velho Continente, onde fizeram morada na cidade de Cascais, bem próximo a Lisboa. Ela, o marido e as duas filhas estão descobrindo as maravilhas e sabores dos nossos ancestrais e compartilhando suas experiências em Podcasts. Pedi autorização para publicar um dos seus posts, que fala da paixão dos portugueses pela sardinha. Saboreie o texto e, se quiser ouvir mais de suas aventuras, ouça no Spotify: […]

Continue Reading