Diário de viagem – Pedal no calor do Tocantins

Cachoeira da Arara na Fazenda Ecológica | Taquaruçu/TO

Quando você pesquisa sobre o Jalapão, um monte de fotografias de paisagens naturais belíssimas aparece na tela. No entanto, pouca gente fala sobre como é visitar essa microrregião do Estado mais novo do país. É sobre isso que vou falar nos próximos posts, relatando a viagem de 09 a 16 de setembro de 2021.

O Tocantins foi instituído oficialmente em 1º de janeiro de 1989. Desmembrado do Estado de Goiás, deixou de pertencer ao Centro-Oeste para fazer parte da região Norte desse imenso Brasil.

Sua área é de 277.466,76km², ocupando a 10ª posição dos maiores estados brasileiros. Representa mais de cinco vezes o tamanho do Rio Grande do Norte. O que sobra em tamanho, rareia em população. É o 23º Estado em densidade demográfica.

Dentro dessa área imensa está o nosso destino: Parque Estadual do Jalapão, uma unidade de conservação de proteção integral à natureza com uma área de 1.589km², abrangendo os municípios de Mateiros, Ponte Alta do Tocantins, São Felix do Tocantins e Novo Acordo.

Para visitar o Jalapão, o aeroporto mais próximo é o de Palmas (capital do Tocantins), que fica a 300km de Mateiros, município núcleo da microrregião. Por isso, antes de chegarmos até a principal atração da viagem, a Jalabob Turismo – empresa responsável por nos acompanhar nessa expedição – preparou dois dias de atividades em Taquaruçu (cidade juntinho a Palmas).

O calor sufocante da chegada foi amenizado com um passeio por 1,5km de trilha até a Cachoeira da Roncadeira. A queda d’água de 70m e as águas geladas foram um refresco para a atividade do dia seguinte das doze turistas ciclistas.

Cachoeira Escorrega Macaco | Taquaruçu/TO
Cachoeira da Roncadeira | Taquaruçu/TO

Acordamos com o espírito em euforia para o único pedal de nossa viagem. A Fazenda Ecológica foi nosso ponto de partida. Uma trilha acompanhada por seis zelosos labradores da Fazenda para aquecer as pernas, um revigorante banho na Cachoeira da Arara, uma oração na natureza e um almoço com a comida típica da região; estávamos prontas para iniciar o passeio ciclístico.

Cachoeira da Arara | Fazenda Ecológica | Taquaruçu/TO

Vamos combinar que pedalar no sol de 40ºC, por volta das 14h, logo depois do almoço, com umidade do ar em torno de 20% não é para qualquer um! Das doze integrantes do grupo, apenas 01 não pedala. As outras onze aceitaram o desafio organizado por Edésio Tolentino, da Social Pedal Club, mesmo correndo o risco de uma congestão (risos).

Devidamente equipadas e com bicicletas alugadas, enfrentamos logo de cara uma subida. A opção para chegar ao topo foi empurrar a bike diante do grau de inclinação. Do topo até Palmas, o resto foi quase todo de descida.

Em um pequeno trecho, tivemos que empurrar novamente, porque a descida escorregadia em pedras deslizantes fez duas vítimas de quedas leves, sem graves consequências. O sol queimando o juízo dessas aventureiras e muita água para apaziguar uma sede insaciável.

O desgaste do corpo era grande, mas a vontade de finalizar o desafio era maior ainda. Ao chegarmos em Taquaruçu, adoçamos a boca com um revigorante caldo de cana. O Strava marcava 12,49km em 1:17h de movimentação. Confesso que o cansaço começava a me dominar. Ainda continuei por mais 12km, mas o calor me venceu. Só consegui garantir a metade do percurso. Desisti depois de 24km e entrei no carro de apoio.

Das onze ciclistas, seis finalizaram todo o trajeto de aproximadamente 45km, da Fazenda Ecológica até a Praia do Prata em Palmas: Belva, Eveline, Marília, Silvaninha, Luciana Patriota e Marisa. Guerreiras que enfrentaram o calor até chegar ao Rio Tocantins e se banharem em águas tranquilas, com a escuridão a lhes abrigar e uma cerveja gelada para celebrar.

A viagem estava só começando e o Jalapão nos aguardava no dia seguinte; muitas aventuras para relatar…

Rio Tocantins em Palmas | Praia da Prata

Integrantes do grupo de viajantes

Elza Bezerra, Ieda Cortez, Belva Cirne, Eveline Knychala, Michelle Pereira, Aglae Miranda, Marília Bezerra de Melo, Silvana Galvão, Luciana Patriota, Marisa Nóbrega, Cláudia Tavares e Luciana Liberato.


Clique aqui para ver as atividades no STRAVA: Parte I e Parte II.


Se você gosta de aventura, acesse também: Embarque feminino no ecoturismo, Turismo em posts, Alma renovada, Mont Ventoux.

Leia também

10 comments

  1. Minha blogueira preferida arrasou no realato do Jalapão, foi exatamente isso que vivemos!
    Viagem fantástica,12 pessoas com o mesmo propósito,aventuras, liberdades,respeito e muita diversão.

    1. Super viagem e vc no comando, rsrsrs! Sorrisos escancarados, natureza, união e companheirismo. Difícil encontrar tanta energia boa em um grupo de doze mulheres, sem qualquer atrito. Foi showww!

  2. Elzinha, que viagem maravilhosa!!!!Nosso Brazil tem lugares lindos. Só precisa os brasileiros valorizam . Muitos só pensam viajar para o estrangeiros e esquecem das nossas belezas encravadas pelo Brasil a fora. Valeu, Elzinha

    1. Virgínia, bote maravilhosa nisso! O nosso Brasil tem muitos lugares a serem visitados, uma natureza esplêndida e lugares muito virgens ainda. O Jalapão merece demais ser visitado, mas tem que ter espírito aventureiro. Beijos

    1. Viagem cheia de histórias para contar com companhias maravilhosas, grupo super unido e muito chão no lugar dos dedos, kkkk. Vou seguir nos relatos. Valeu Ieda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *