No Rastro das Águas – Capítulo 21

(…) Seus estudos prosseguiram no grupo escolar, entremeados pelas brincadeiras de que fazia parte. Certa vez, José resolveu participar da banda municipal, cujo presidente de honra era seu pai. A meninada reunida (Antônio Othon Filho, Sílvio Bezerra, Minéo, Antônio Chacon, Bila e Chico de Moisés Preto) resolveu fazer uma homenagem a um currais-novense peculiar. Seu Galvão era um pouco esquisito, só andava pelo meio da rua para não pisar na calçada de ninguém e com esse pensamento construiu sua calçada inclinada, que era para, também, ninguém passar por lá. Mas a banda, que nem se se poderia ser chamada assim, […]

Continue Reading

Natal, 420 anos

A cidade de Rouen, na França, implementou um projeto bem original no seu centro histórico: o controle de velocidade para pedestre. A velocidade máxima permitida é de 3km/h; se ultrapassá-la, um flash de advertência é acionado. Objetivo do alerta: diminuir a velocidade do passante e conceder-lhe tempo para observar as construções que compõem o seu patrimônio. Tomar um tempo para observar a vida diferentemente. Hoje a minha cidade completa 420 anos. Nascida pelas mãos de Jerônimo de Albuquerque Maranhão em 25 de dezembro de 1599, às margens do Potengi, Natal vê seus prédios históricos abandonados na Ribeira do nosso rio. […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulo 20

(…) Mas aos poucos a saudade da caatinga foi tomando conta do seu interior. Passou a imaginar o quanto seria diferente se pudesse retirar o sal da água do mar e transportá-la para o sertão. A temporada passou rapidamente e logo, com pele bronzeada, teve que retornar aos antigos pastos, na expectativa do início das aulas e nas conversas que teria com seus amigos sobre sua experiência no litoral. O retorno a Currais Novos foi cheio de novidades. Antônio Bezerra anunciou à família que passariam a residir, na maior parte do tempo, no centro da Vila. Com José estudando, mesmo […]

Continue Reading

Visitando a Oficina Brennand

“Recordo-me de ter encontrado a velha cerâmica São João em ruínas. Inclusive, cabe salientar que não havia necessidade de um anteprojeto, pois as antigas paredes já indicavam aquilo que devia ser refeito: as ruínas balizavam tudo. Portanto, toda e qualquer ideia chegava à medida do trabalho em progressão. Talvez, por isso, eu providenciei chamar o lugar de “oficina”, baseado na origem da palavra “ofício” (officium, em latim) que quer dizer “trabalho”; local de trabalho, evitando o francesismo atelier. Ao mesmo tempo, há a ideia de uma comunidade, à maneira das coletividades de ofício medievais e renascentistas, onde o mestre e […]

Continue Reading

Surf, deu Baía Formosa no Pipe Masters e no WCT

Ítalo Ferreira, campeão mundial – Foto divulgação WSL Dia 11 de dezembro rolou o Round 32 do Billabong Pipe Masters. Primeira bateria, Ítalo Ferreira e Jadson Andre na disputa. Coração potiguar dividido, com uma tendência natural para Ítalo, porque disputa o título mundial e veste a lycra amarela. Jadson eliminado, Ítalo avançou para rodada seguinte. Owen Right eliminado por Yago Dora. Filipe Toledo perdeu para Ricardo Christie, o neozelandês que teve a perna suturada na rodada anterior. Kelly Slater nos presenteia com um tubo perfeito no Backdoor, nota máxima, 10! Gabriel Medina avançou para próxima rodada e Jordy Smith foi […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulo 19

(…) Confiante em sua pouca experiência, José passou a exibir-se. Numa dessas disparadas, caiu em cima das pedras em frente à casa antiga que agora era ocupada por Tano. Seu pai, com o espírito bonachão e brincalhão, depois de verificar a gravidade do ferimento, deu-lhe apenas uma chamada, pois a queda encarregava-se de dar-lhe uma lição. O tombo abriu uma ferida enorme no braço de José, que pela profundidade e falta de pontos no local, garantiu-lhe uma cicatriz pelo resto de sua vida. A notícia dos estudos para o ano seguinte deu a José um certo ar de maturidade. Achava […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulo 18

(…) A viagem era árdua. Passavam sede e fome. Quando superavam o calor massacrante das estradas, adentravam vilas e povoados, oferecendo seus serviços, deixando de lado a vergonha, mendigando, implorando por uma porção salvadora. Encontravam a hospitalidade e solidariedade sertanejas, mas por ali os recursos também eram escassos e tinham que prosseguir o caminho. Nos seus rastros, corpos inertes, esgotados, estendidos no chão. Os que conseguiram finalizar a proeza, no encalço da borracha ou na procura dos cafezais, transformaram-se em mão-de-obra barata para o progresso do Brasil. Padrinho Tano terminou de selar o burro mulo, que, por ser mais resistente, […]

Continue Reading

Bicho esquisito

Antropofagia – Tarsila do Amaral, 1929 Em 1982, o Brasil realizava suas primeiras eleições diretas pós 1964, para os cargos de governador, senador, prefeito, deputado federal e estadual. Dentre os eleitos para governador e senador, nenhuma mulher. Apenas o Acre contava com a Vice-Governadora Iolanda Fleming e a suplente de Senador Laélia de Alcântara. Mesmo assim, Rita Lee lançou a música Cor de Rosa Choque, que foi tema do programa TV Mulher e fala do sexo frágil que não foge à luta, bicho esquisito que todo mês sangra. Precisou se explicar na censura, como ela mesma conta em seu livro […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulo 17

(…) A chuva prolongou-se até agosto e ao final do ano tinha chovido mais do que o normal em Currais Novos, fazendo valer a boa fama de inverno dos anos de final quatro. Aquele não foi um ano comum. Parecia que Deus tinha aberto as torneiras do céu. Para os mais experientes, aquilo não era bom sinal; estavam antevendo um quadro dramático. Dia de São José, sexta-feira, 19 de março de 1915, os olhos, as preces, a alma, o coração e a vida do sertanejo convergiam para um só ponto: a chegada da chuva. Passaram o dia de olho no […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulo 16

(…) Seus ensinamentos foram transmitidos a seus descendentes. Convivendo nesse ambiente, José Bezerra de Araújo absorve-os facilmente. Espelhava-se em seus exemplos, principalmente nos aspectos de retidão de caráter, espírito de justiça, honestidade, vontade conciliadora e honradez. Descalço na terra encharcada, com os olhos grudados no chão, José procurava as pedras mais apropriadas ao seu intento, o que não era tarefa difícil em solo tão pedregoso. Pretendia construir um curral enorme, para abrigar o rebanho que estava por chegar. No dia seguinte, matariam um carneiro e, depois da panelada, ninguém procurasse por ele em outro lugar. Estaria aos pés de Sinhá […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulo 15

(…) Antônio Silvino foi preso em 27 de novembro de 1914, aos 39 anos, após tiroteio com a polícia em Lagoa Lage. Foi atingido no pulmão direito e transferido para cadeia de Taquaritinga e depois para a Casa de Detenção em Recife. Passou vinte e três anos, dois meses e dezoito dias de reclusão até ser indultado pelo presidente Getúlio Vargas. Morreu em 30 de julho de 1944, em Campina Grande, na casa da prima Teodolina Aires Cavalcanti. Quinta-feira, 18 de dezembro de 1913, José acordou mais cedo do que o habitual; o mugido dos bezerros no curral foi seu […]

Continue Reading

Verão em terras potiguares

Praia de Porto Mirim Chegamos, de novo, ao fim do ano. Corrida para compras, sacolas, pacotes, presentes. Confraternizações, família, amigos, trabalho. Natal, amor ao próximo, solidariedade, paz. Necessidade de pôr em prática todo esse espírito de luz. Um brinde ao novo ano que começa! Verão em terras tropicais, casas de veraneio renovadas. Estradas congestionadas, todos seguindo o rastro dos antepassados, que trocavam o sertão — na sua época mais quente — pelo litoral. Tradição preservada, costume sedimentado. Caminho para as praias na busca dos alpendres redários, prontos ao acolhimento. Cheiro de maresia impregnado no ar, brisa embalando suavemente as varandas […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulo 14

(…) A luz do amanhecer afastava todos os seus temores. Voltava a ser aquele menino forte e destemido, para desbrava todos os espaçosos cômodos de sua nova casa. Brincava de esconde-esconde com Amália, que o seguia com passos inseguros. Ritinha coordenava os afazeres domésticos, já planejando a compra de uma mobília nova para fazer frente à casa recém-construída, bem mais ventilada que a anterior. Antônio arrodeava a casa, certificando-se da escolha correta como ponto estratégico, em caso de alguma emergência. Afinal, havia um grande motivo para preocupação para os fazendeiros e coronéis de então e até seu próprio filho já […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulo 13

(…) Somente quando a seca batia forte e a fome dizimava famílias e tudo quanto era ser vivo, abalando a fé dos mais fiéis devotos de Santana e minguando suas esperanças, os seridoenses reuniam suas últimas forças, juntavam seus trapos e o pouco que lhes restava e entregavam os pontos na batalha contínua contra as forças da natureza, saindo sem rumo e sem destino em busca de algum lugar onde pudessem fazer florescer suas sementes. Botavam o pé na estrada, seguindo o prumo das notícias de melhores condições de vida, quer fossem nos seringais do Norte, quer nos cafezais do […]

Continue Reading

No Rastro das Águas – Capítulo 12

(…) Retornam para casa de alma límpida, com a fé renovada e disposição para mais um ano de trabalho em busca da sobrevivência. A esperança preenche seus corações, enquanto as mãos de Santana dão forças para a árdua tarefa do dia-a-dia. Com este pensamento, já estão prontos para iniciarem a colheita do algodão, que vem tomando conta do chão seridoense, pincelando de branco a paisagem da região. Mãos preguiçosas torciam o pano de algodão. Canecas de flandres aparavam o líquido quente, escuro e cheiroso que escorria. Na trempe, uma panela borbulhava cozinhando as batatas da vazante. Uma pequena lamparina mal […]

Continue Reading