Tommy nos dias atuais

Por esses dias fui ao cinema assistir ao filme Rocketman, no qual o ator Taron Egerton interpreta e canta brilhantemente Elton John, biografia meio musical, com várias músicas da carreira do astro cantor, compostas em parceria com o letrista Bernie Taupin. Em uma das cenas do filme, Elton John senta ao piano e toca Pinball Wizard, mudando seu excêntrico figurino, enquanto a música do The Who gira o mundo. Me veio à memória o filme ópera rock Tommy, escrito por Pete Townshend do The Who, no qual Elton John canta a música e a mantém por semanas consecutivas nas paradas […]

Continue Reading

Carrières de Lumières

Imagine um pórtico imenso de pedra calcária. Entre por uma pequena porta com tecidos pretos em volta e encontre um vão grandioso, com paredes de até 15m de altura, piso irregular e telas naturais aproveitando o espaço de uma pedreira desativada. Com uma área de aproximadamente 7.000m², a pedreira Carrières de Lumières está encravada no planalto rochoso dos arredores da pequena cidade de Les Baux-de-Provence, região PAC da França. Impressionado com a beleza do espaço, Jean Cocteau decidiu filmar “O Testamento de Orfeu” nas Carrières de Lumières, ainda nos idos dos anos 60. Em 1977, o cenógrafo Joseph Svoboda também […]

Continue Reading

Mont Ventoux – parte I

Em tempos de competição de ciclismo, meu marido assiste na TV aos Tours da França, Espanha, Itália e Suíça. Para mim, basta uma passadinha rápida pelos cenários incrivelmente belos das paisagens naturais ou dos monumentos que são mostrados nos percursos. Numa viagem à França, surgiu a oportunidade de conhecermos o Mont Ventoux, uma das etapas mais difíceis do Tour de France. Subimos de carro, deslumbrados com a altura do monte, o número de ciclistas que encaram o desafio e a vibração de quem chega lá reverberando pelos poros. No percurso, testemunhamos um ciclista desconhecido que sucumbiu ao esforço do coração, […]

Continue Reading

Algodão doce

O avião mergulha nos flocos brancos de nuvens espessas. Essa cena sempre me traz à lembrança o algodão doce de carrinho. Em minha cidade, Mamede era o encarregado de fazer a alegria da meninada. Nos aniversários infantis, lá estava ele. O motorzinho girava um recipiente onde se colocava açúcar cristal. Depois de aquecido, o açúcar era expelido por pequenos orifícios que giravam rapidamente, formando fios de algodão, que logo eram resfriados e adquiriam a forma determinada pelo comandante do processo. Olhinhos brilhantes e gulosos aguardavam a vez na fila por ele organizada. Com uma colher, Mamede orientava a distribuição do […]

Continue Reading

Fazenda em festa

Verdes, brancas, azuis, amarelas, vermelhas. Os dedos, impregnados de cores e sujos de cola, pregavam, uma a uma, as bandeirinhas coloridas no cordão esticado entre um pilar e outro do alpendre. Sentadas no chão, recortávamos revistas velhas, com fotos bem coloridas, em formato de bandeirinhas ou de pequenos balões. No alpendre lateral, mãos não vadeavam. Quebravam a ponta da vagem, puxavam o fio até o final e, com a ajuda da unha afiada do polegar, retiravam todos os grãos da vagem. Enquanto a conversa corria solta, as bacias grandes de alumínio aparavam a debulha do feijão bem verdinho. A chuva […]

Continue Reading

Lua feminina

Fim de tarde. As ondas arrebentam com força. A maré alta assusta. O som reverbera toda a violência do mar. Ainda imperceptível, ela faz a maré recuar. Surge sorrateira, rompendo a escuridão. Liberta-se das sombras do Sol. Numa linha imaginária, despe-se de nuvens insinuantes. Aparece nua, inteira, solitária, revelando sensualmente seus contornos. Momento de apogeu. Refletindo as cores solares, imprime sua beleza máxima nos primeiros momentos da aparição: Lua cheia, radiante! Flagrada rente ao horizonte, inunda de sonhos a imaginação dos admiradores. Alguns ousados, outros tantos secretos. Sem pressa, ela tem a noite como cúmplice, realçando todo seu esplendor. Suas […]

Continue Reading

Sol de primavera

Uma visita a um país do norte europeu pode despertar o significado da primavera e verão – estações não definidas no nosso calendário, mixadas em perenidade. Quem tem o ano quase completo com a temperatura de verão, batizando a sua cidade Natal como noiva do Sol, não valoriza essa bênção. Em Amsterdam, sentar num banco da Museumplein e ver a vida passar permite a você sentir o calor humano de uma tarde ensolarada de primavera. Termômetro marcando 14 graus e as pessoas sentadas no gramado às 19:30, quando a noite ainda nem bem deu as caras. Nessa época do ano, […]

Continue Reading

Efeito polarizado

Foi em um mergulho nas águas salgadas que conheci as lentes polarizadas. Desfrutava da companhia do meu filho e minha nora no embalo das ondas suaves – água morna e maré morta –, quando ele me apresentou os benefícios de seus novos óculos solares. Indaguei qual a diferença entre as minhas lentes e aquelas. Ele me ofereceu para experimentá-las e eu pude constatar que aquele brilho incessante e ofuscante sobre o mar sumiu num piscar de olhos. De imediato, achei a invenção interessante, porque excluía da visão os reflexos do sol sobre a água. A cor ofuscada pelo brilho intenso […]

Continue Reading

Entrevista com Gracita Lopes

Ao apresentar o meu blog, falei sobre os encontros de final de tarde na calçada, só para jogar conversa fora. Em tempos modernos, a calçada migrou para a mídia digital. Nesse espaço, vamos compartilhar entrevistas sobre temas abordados no blog. Convidei a arquiteta Gracita Lopes para um bate-papo leve e descontraído e descobri a sua veia de escritora e poeta, como veremos no desenrolar da conversa. Bastante conhecida em nossa cidade, Gracita tem origem em Limoeiro do Norte/CE, mas encontrou em Natal seu porto seguro e lugar para trabalhar sua criatividade. Vamos à entrevista. Elza Bezerra: O que fez você optar […]

Continue Reading

Macambira e cajás

Quando estou no interior, gosto de desbravar caminhos, conhecer novas terras, descobrir encantos. De vez em quando, pego carona nas pedaladas do meu marido para fazer tudo isso. Ele acordou cedo. Foi matar a vontade de subir e descer ladeiras, testando seus limites. Voltou para casa e chamou os amigos para conhecer seu percurso. No carro, logicamente. A turma não tinha o seu preparo físico, exceto seu companheiro de pedal. Fomos de camionete. Um homem na direção, quatro mulheres na boleia (para quem não sabe, é a parte fechada da cabine) e três marmanjos na carroceria, indicando o caminho pelas […]

Continue Reading

Arquitetura na Rioja

Em 2006, a Rioja – região espanhola produtora de vinho – foi escolhida como parte de um roteiro por terras europeias em função de um amigo apreciador dessa bebida. Os nordestinos ainda estavam em processo de adaptação ao vinho tinto, engatinhando na enologia, despedindo-se em definitivo dos vinhos capelinha e sangue de boi, numa rápida passagem pelos brancos alemães. O consumo do vinho tinto virava negócio propício, para os vendedores e, melhor ainda, para os consumidores. Quatro casais passaram a percorrer as vinícolas, vilas e cidadelas da Rioja. Explanações e provas de vinhos, Museo Vivanco de la Cultura del Vino […]

Continue Reading

Noite na serra

A geografia acidentada, os contornos das serras e o volume de pedras gigantescas em saliência deixam a visão tonta de tanta beleza, surpreendendo em todas as direções. Mas o cair da tarde revela uma nova surpresa. A luz natural esmaecendo e pontilhões de luzes começam a piscar, incessantemente, denunciando a presença humana em cidades circunvizinhas. Uma quase continuidade infinita. Falo da Serra de São Bento, interior do Rio Grande do Norte, onde a altitude – 400m aproximadamente – já faz uma diferença invejável ao calor incessante do nordeste brasileiro. Em meados de abril, a lua surgiu “amostrada” como disse um […]

Continue Reading

Por que não falar de tulipas?

Jardins do Keukenhof

Em um mundo cada vez mais recheado de notícias negativas, por que não falar de tulipas? Há exatos 23 anos, visitei o parque Keukenhof, na cidade de Lisse/Holanda, distante 35km de Amsterdam. Não conhecia as tulipas de perto, foi amor à primeira vista. A variedade de cores, a organização do parque, a disposição das flores, tudo me encantou. No meu íntimo, prometi um dia retornar para reviver a emoção. A promessa concretizou-se esse ano. Voltei cheia de expectativa, morrendo de medo de a segunda visita não ter o mesmo encantamento da primeira e ainda levando quatro mulheres comigo – que […]

Continue Reading